Cerca de 10% da população adulta sofre de doença renal

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 11 de março de 2010 as 12:55, por: cdb

O Dia Mundial do Rim, celebrado no dia 11 de março, pretende mostrar a importância da prevenção e o diagnóstico precoce da doença renal crônica, ressaltando o controle do diabetes, doença sistêmica que, quando não tratada de forma correta, traz repercussões negativas sobre os rins.

 Dados da Sociedade Brasileira de Nefrologia indicam que 10% da população adulta sofre de doença renal, com 87 mil pessoas em diálise e 40 mil transplantados no país.

A hipertensão e o diabetes são os principais fatores de risco – 36% dos pacientes são hipertensos e 25% sofrem de diabetes.

O número de diabéticos dobrou nos últimos quatro anos no Brasil, e hoje existem cerca de 10 milhões de pessoas com diabetes no país, com 16% delas apresentando doença renal crônica.

Pesquisas apontam que 70% dos diabéticos não fazem controle da doença. Além disso, 35% da população adulta brasileira é hipertensa e apenas 6,5% desse contingente tem a pressão arterial controlada. E isso é preocupante, pois está intimamente associado ao crescimento do número de casos da doença renal crônica.

A doença renal crônica é um problema de saúde pública nacional, com  tem taxa de mortalidade superior ao câncer de mama e colo de útero.

É  importante que a população brasileira esteja atenta para os fatores de risco que podem comprometer a saúde dos rins.

Quando o rim, que é o  órgão responsável por uma série de funções, como a limpeza e filtragem do sangue, perde a função, o indivíduo é encaminhado à diálise ou até mesmo para o transplante, conforme o caso.

A doença renal, quando detectada precocemente, pode ser curada ou ser controlada de forma muito mais eficaz. Por ser uma doença silenciosa, é necessário que a população se habitue a fazer, anualmente, o exame de dosagem de creatinina, para estimar a capacidade de filtragem do rim, que pode determinar se há déficit de funcionamento desse órgão.

Para prevenir a doença, os fatores de risco – incluindo obesidade, diabetes e hipertensão – devem ser controlados, além de ser recomendado uma alimentação balanceada e a prática de atividades físicas.