“Centralizar o câmbio é a solução”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 20 de junho de 2011 as 08:31, por: cdb

Luiz Gonzaga Belluzzo defende a centralização das operações do câmbio nas mãos do Banco Central. A medida já foi adotada em 1999. Recomendo sua entrevista à Folha de São Paulo, publicada neste domingo. Nela, o economista e professor afirma sem meias palavras: “o câmbio é importante demais para ser deixado aos caprichos do mercado”.

Segundo o Belluzzo, a centralização do câmbio permite ao Banco Central (BC) maior capacidade de regular os preços cobrados nas operações entre moedas, assim como suas quantidades e prazos. A medida, acredita, desincentiva os agentes privados que atuam na área. De acordo com o professor, hoje, o sucesso de suas operações é praticamente garantido, enquanto o BC atua ex-post, comprando e vendendo moeda dos agentes privados.

“Porque empresas estão fazendo “funding”?”, pergunta-se. Para ele, muito do que aparece em investimento direto nos números oficiais não passam de empréstimos intercompanhia. “Estão fazendo arbitragem com taxa de juros”, denuncia.

Belluzzo avalia que a atual invasão de dólares, de fato, aumenta as reservas brasileiras. Mas, como esses mesmos dólares são comprados com uma taxa de juros que tem um diferencial grande com a taxa cobrada pelo governo norte-americano, a diferença tem um impacto importante na dívida pública brasileira. “Seria um custo menor se você impusesse limites a essa entrada”, argumenta.

No entanto, admite o economista, apenas falar sobre o assunto causa “desmaios no mercado financeiro”.
Belluzzo reconhece que a indústria brasileira tem sido penalizada com a atual situação do câmbio. Mas frisa que as dificuldades do setor vão além: dão-se, ainda, em função da demanda doméstica, que tem sido incentivada pelo crédito, que é difícil controlar.

Confira a entrevista. Vale a pena por sua lucidez.