Central telefônica descoberta no Paraná pode integrar a ‘hawala’

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 19 de outubro de 2001 as 19:11, por: cdb

O libanês Muhamad Hassan Atwi e o brasileiro Paulo Cezar Caramori, presos pela Polícia Federal na noite de ontem, em Foz do Iguaçu, acusados de operar uma central telefônica clandestina na cidade, podem trabalhar para a rede mundial de transferência de dinheiro, conhecida como “hawala”, a palavra árabe para “confiança”. Foi a décima central clandestina descoberta nos últimos dois meses no Paraná.

Agentes federais, cumprindo mandado de busca e apreensão expedido pela 3ª Vara Criminal Federal de Foz, prenderam o brasileiro Caramori em um apartamento no centro de Foz. Caramori indicou os libaneses Muhamad Hassan Atwi e Armando Nader como responsáveis pela central clandestina.

Atwi foi preso em seu apartamento, também no centro de Foz e Nader está em viagem para o Líbano. A reportagem não conseguiu falar com os acusados.

O diretor da divisão da PF em Foz do Iguaçu, delegado Joaquim Mesquita, disse ontem que irá enviar cópias das ligações telefônicas para o Oriente Médio e Ásia para a Interpol, na expectativa de localizar possíveis conexões entre a central e supostas operações de extremistas.

Mesquita disse que os presos foram enquadrados em crime federal por infringir a Lei das Telecomunicações. A Polícia Federal investiga também a conexão entre a central descoberta em Foz com as outras nove encontradas no Estado nos últimos dois meses.