Ceará e Pernambuco não seguem exemplo do Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 5 de janeiro de 2002 as 00:42, por: cdb

Os governos de Ceará e Pernambuco não devem seguir o caminho aberto pelo Rio de Janeiro, de usar a Justiça e a crise de energia para reduzir o pagamento de suas dívidas com a União. O secretário de Fazenda do Ceará, Ednilton Soarez, escolhido nesta sexta-feira pelo governador Tasso Jereissati para falar sobre o assunto, descartou a possibilidade de repetir o procedimento do governador do Rio, Anthony Garotinho.

“O governo do Ceará está pagando rigorosamente em dia sua dívida e não cogita ingressar com nenhum tipo de ação na Justiça”, afirmou o secretário.

Já o governador de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos, refutou o próprio uso da via judicial para tentar contornar os problemas da dívida. Ao comentar nesta sexta-feira o pleito do Rio, antes mesmo de sair a liminar do Supremo Tribunal Federal (STF) favorável ao Rio de Janeiro, Vasconcelos lembrava que a renegociação da dívida dos Estados foi um pacto federativo, obtido a duras penas. “Se houve um pacto, ele não pode ser quebrado por uma iniciativa isolada de governadores, mas mediante um entendimento nacional, o que não se cogita no momento”, afirmou.

Até o governador mineiro, Itamar Franco, que teve um sério confronto político com o governo Federal por causa do pagamento da dívida com a União, esquivou-se desse debate. Ao ser questionado se Minas também entraria também com uma ação na Justiça, Itamar foi sintético. “Nada a declarar”, mandou avisar por sua assessoria.

O ministro da Fazenda, Pedro Malan, também evitou falar da decisão. Ele informou que a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional ainda está analisando o processo e disse que só se pronunciará sobre o assunto quando houver a conclusão do estudo.