Catar proíbe entrada de passageiros de países afetados por Sars

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 12 de abril de 2003 as 08:40, por: cdb

As autoridades do Catar proibiram temporariamente a entrada no país de viajantes procedentes de China, Hong Kong, Taiwan, Cingapura e Vietnã, os países mais afetados pelo surto de Síndrome Respiratória Aguda Severa.

O ministério catariano da Saúde Pública informou em um comunicado à imprensa local, que adotou essa decisão “como medida de precaução” para evitar que se expanda o vírus da Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars), que causou a morte de 120 pessoas em trinta países e afeta quase 3.000 em todo o mundo.

Além disso pediram aos cidadãos do Catar que evitem viajar para os países afetados por essa doença até que a situação médica esteja controlada.

As autoridades catarianas incluíram Canadá e Tailândia em sua lista de alerta e decidirão sobre a entrada em seu território de cidadãos desses lugares em função de como evoluam os casos de pneumonia atípica.

Também lembraram que os viajantes procedentes desses dois países, onde aconteceram vários casos da doença, têm que registrar-se com as autoridades médicas do Catar desde sua chegada no aeroporto de Doha.

Fontes ministeriais citadas pela imprensa local assinalam que as autoridades deste país também não permitirão aos cidadãos das nações citadas realizar escalas aéreas em seu aeroporto.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) assinalou que são 20 os países afetados e advertiu que a Sars ameaça causar uma catástrofe global, devido à rapidez com que essa doença se estendeu entre os viajantes.

O jornal do Catar em inglês Gulf Times publica neste sábado que, segundo especialistas russos, o vírus que causa essa letal doença pode ter sido fabricado pelo homem e ser uma arma biológica.

O jornal recolhe as declarações do chefe dos serviços epidemiológicos de Moscou Nikolai Filatov que diz que esse vírus pode ter sido fabricado pelo homem “já que não há vacina para o combate, sua origem não é clara, não se estendeu em nível geral e a população não é imune”.

O especialista russo assinalou no entanto que a taxa de mortalidade nos afetados pela Síndrome Respiratória Aguda Severa é baixa.

Além disso cita o cientista russo Sergei Kolesnikov que considera que esse vírus é uma mistura de laboratório.

A decisão das autoridades do Catar acontece alguns dias depois das do vizinho emirado do Kuwait colocarem em quarentena uma mulher do sudeste asiático que pode estar com a doença.

O Governo kuwaitiano informou também que está tomando todas as medidas de precaução necessárias para os passageiros de vôos procedentes da Ásia.