Cartunista Glauco é assassinado em São Paulo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 12 de março de 2010 as 10:10, por: cdb

O cartunista Glauco Villas Boas, de 53 anos, morreu na madrugada desta sexta-feira, vítima de tentativa de assalto e sequestro em sua residência na Estrada Alpina, no bairro de Santa Fé, em Osasco (SP). O filho dele, Raoni Villas Boas, 25, que chegava ao local no momento do assalto, também foi atingido pelos tiros e morreu quando era levado para o hospital.

Segundo a polícia apurou, a casa do cartunista foi invadida por dois homens armados, que tentaram levar os pertences da família e o próprio cartunista.

Ao tentar conversar com um dos bandidos, Glauco levou quatro tiros. Socorrido e levado ao hospital Albert Sabin, no bairro da Lapa, zona oeste de São Paulo, Glauco morereu antes de ser atendido.

O assalto começou por volta de meia-noite e os bandidos fugiram em um carro roubado. Ninguém foi preso até o momento, informou o advogado da família, Ricardo Handro.

Glauco nasceu em Jandaia do Sul, no Ruio Grande do Sul, em 1957. Mudou-se para Ribeirão Preto em 1976, onde publicando seus primeiros trabalhos no Diário da Manhã. Em 1984 começou a fazer publicações no jornal Folha de São Paulo, onde desenvolveu os personagens Geraldão, Casal Neuras, Doy Jorge, Dona Marta e Zé do Apocalipse.

Fez parte do elenco de redatores da TV Pirata e de alguns quadros do programa infantil TV Colosso, ambos da Rede Globo. Em parceria com os cartunistas Angeli e Laerte lançou o álbum Los 3 Amigos – Sexo, Drogas y Guacamoles (Editora Ensaio).

Publicou durante certo tempo a revista bimestral Geraldão pela Circo Editorial. Músico, também tocava em bandas de rock. Para o público infantil, leitor do suplemento semanal Folhinha criou o personagem Geraldinho, que é uma versão light (no traço e na temática) do seu personagem Geraldão.