Carmen Maura recebe prêmio máximo de Academia de Artes espanhola

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 22 de outubro de 2009 as 11:37, por: cdb

Com um vestido vermelho estampado, acessórios e um grande sorriso, a atriz Carmen Maura recebeu nesta quarta-feira a Medalha de Ouro 2009, um dos maiores prêmios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas da Espanha, das mãos de seu diretor, Álex de la Iglesia.

A protagonista de filmes como Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos, ¡Ay, Carmela! ou A Comunidade recebeu o prêmio honorário, que é entregue desde 1986, como reconhecimento de sua contribuição ao cinema espanhol durante quatro décadas e com a intenção de destacar sua grande trajetória profissional.

– Para nós é um mistério saber porque é tão boa, que diabos faz –, disse o diretor da Academia, Álex de la Iglesia, durante a entrevista coletiva na entrega do prêmio.

– É necessário muito tempo, muitas horas, muita dedicação, muita experiência. Definitivamente, muito trabalho e muita inteligência para que tudo pareça, sensivelmente, sobrenatural –, acrescentou ele sobre o trabalho da atriz, ganhadora de quatro prêmios Goya e seis Fotogramas de Prata.

Com muita cumplicidade com De la Iglesia, que a dirigiu em A Comunidade, Maura explicou que não esperava ganhar a medalha, que também foi concedida a atores destacados, como Fernando Rey, Francisco Rabal, Fernando Fernán-Gómez, Concha Velasco e Antonio Banderas.

De forma muito natural, Carmen Maura explicou que quando assistiu à cerimônia na qual Ana Belén recebeu a sua medalha, apenas pensou: – Por Deus, meu Anjo da Guarda, que não me deem isso (a medalha) até que eu seja velhinha –.

Como nas telonas do cinema, a madrilenha mostrou tranquilidade diante das câmeras e jornalistas e, brincando com seus cabelos, explicou que sempre se sentiu tranquila e cômoda nas filmagens.

– No cinema não fico nervosa. Quando escuto ‘ação’ eu relaxo –, contou.

– Aproveitei sempre em pleno set, que é onde vivi os momentos mais divertidos –, acrescentou.

Maura começou sua carreira no teatro, onde trabalhou mais de dez anos, mas em meados dos anos 1970 conseguiu o papel de protagonista da comédia Tigres de Papel, de Fernando Colomo.

Em 1980, entrou no Clube Almodóvar com Pepi, Luci, Bom e outras meninas, quando adquiriu reconhecimento profissional.