Carapicuíba realiza a 1ª Conferência dos Direitos das Pessoas com Deficiência

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 18 de abril de 2012 as 13:47, por: cdb

Carapicuíba realiza a 1ª Conferência dos Direitos das Pessoas com Deficiência

A 1ª Conferência dos Direitos das Pessoas com Deficiência acontece na próxima sexta-feira, 20, das 8h às 15h, nas dependências da Faculdade Nossa Cidade, à Av. Francisco Pignatari, 630.

O tema central será “Novas Perspectivas e Desafios na Implementação da Convenção da ONU”. A Conferência é organizada pelo Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência, com o apoio da Prefeitura de Carapicuíba.

Participarão representantes de diversas entidades do município, que atuam junto a pessoas com deficiência, como a APAE, Projeto Oficina, Instituto Cisne, Núcleo Léa Rosemberg, Casa Maria Maia, Fraternidade Cristã da Pessoa com deficiência, Movimento das Pessoas com Deficiência de Carapicuíba (MPDE), alem de funcionários da Prefeitura que atuam junto aos CRAS (Centro de Referência e Assistência Social), ligados à Secretaria de Assistência social e Cidadania.

Na atual Administração, diversas iniciativas foram adotadas para beneficiar as pessoas com deficiência, dentre elas, a construção de mais de 30 rampas nas calçadas das ruas centrais, que garantiram a acessibilidade e mobilidade urbana a cadeirantes e pessoas com deficiência visual.
 
A  criação do Conselho específico, apoio na realização de encontros, palestras e seminários e a criação da Casa dos Conselhos foram outras ações da atual gestão que beneficiaram este segmento da população.

Com a realização da 1ª Conferência, o município de Carapicuíba pode participar da Conferência Estadual da Pessoa com Deficiência. As discussões e propostas apresentadas também serão encaminhadas à Prefeitura, que tratará da implementação de novas ações em benefício da população.

O Prefeito Sergio Ribeiro afirma que Carapicuíba deve se tronar uma cidade acolhedora, que cuida e respeita os direitos de todos os cidadãos, em especial dos que convivem com limitações e necessitam de maior atenção por parte da família, órgãos públicos e da sociedade.