Canadá analisará direitos humanos na China para vender Noranda

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 6 de outubro de 2004 as 22:04, por: cdb

O Canadá examinará a atuação da China em relação aos direitos humanos antes de dar a sua aprovação para a compra da Noranda pela estatal China Minmetals, afirmou o ministro da indústria David Emerson, que tem o poder de veto de investimentos estrangeiros, na quarta-feira.

A Noranda, maior mineradora do Canadá, começou a negociar exclusivamente com a Minmetals há 12 dias sobre a possível venda de 100 por cento de suas minas de cobre, níquel e zinco para o conglomerado estatal chinês por, segundo acreditam analistas, 5 bilhões de dólares.

Críticos do possível acordo pedem para que ele seja impedido, alegando o pouco cuidado da China com os direitos humanos.

– Temos que levar em consideração que tipo de precedente isso pode estabelecer. Claramente estamos todos preocupados com questões de direitos humanos, mas também precisamos nos preocupar com todas as consequências econômicas a longo prazo – disse o ministro da Indústria.

– Eu acredito, e acho que esse governo acredita, que as relações de comércio e investimento com a China são muito importantes –  acrescentou.

– Há alguns ruídos políticos, principalmente da parte de um jornal, mas nenhuma opinião que temos da comunidade de investidores sugere que alguém esteja dando muito crédito para essa interferência – disse David Weiner, porta-voz da Minmetals no Canadá.

Analistas afirmam, no entanto, que a pressão negativa do jornal National Post está pesando na opinião, mesmo que não haja garantias nem sequer de que a Noranda e a Minmetals chegarão a um acordo.