Campanha de Bush sofre revés: republicanos criticam “falhas” no Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 19 de setembro de 2004 as 19:07, por: cdb

Líderes do Partido Republicano, de George W. Bush, criticaram neste domingo as falhas e a “incompetência” da política do presidente norte-americano para o Iraque. Eles pediram uma ofensiva terrestre para retomar as áreas dominadas pelos insurgentes no país. Em programas de entrevista, senadores republicanos também exigiram que Bush, o candidato do partido à reeleição, seja mais aberto com a população americana. Um relatório da CIA, a agência de inteligência dos Estados Unidos, revelado recentemente, traça um quadro pessimista do Iraque e sugere a possibilidade de guerra civil.

– O fato é que nós estamos em apuros no Iraque… acho que vamos ter de ver maneiras de recalibrar a política – disse o senador republicano Chuck Hagel, do Nebraska, no programa da rede de televisão CBS “Face the Nation”.

Já o senador John McCain, um republicano do Arizona, que tem feito a campanha ao lado de Bush neste ano, passando por cima de uma antiga rivalidade com o presidente, disse que o governo cometeu “erros graves”.

McCain, em entrevista ao “Fox News Sunday”, citou como falhas a tolerância dos saques depois da invasão em 2003, a falta de segurança nas fronteiras iraquianas e o estabelecimento de posições insurgentes dentro do país.

O senador pediu uma ofensiva terrestre contra os insurgentes, mas Joe Biden, senador do Partido Democrata por Delaware, acusou o governo em entrevista à rede ABC de tentar ganhar tempo para que o conflito não prejudique as chances de reeleição de Bush.

As críticas ocorrem na semana em que Bush vai receber o premiê iraquiano, Iyad Allawi, em Washington, e enfatizar o tema Iraque, após o candidato do Partido Democrata à Casa Branca, John Kerry, ter aumentado seus ataques ao presidente.

Depois da divulgação do relatório da CIA na quinta-feira, Kerry acusou Bush de não falar a verdade sobre a violência no Iraque.

McCain disse que o presidente não está sendo tão “direto” como ele gostaria. O senador afirmou que o Congresso deve realizar logo audiências para obter informações sobre o Iraque.

O republicano concordou com legisladores dos dois partidos que alegam que será impossível realizar as eleições marcadas para janeiro no Iraque sem que os insurgentes sejam expulsos de seus redutos, como a cidade de Falluja.

Neste domingo, o New York Times relatou que os militares norte-americanos planejam retomar Falluja por volta do fim do ano.

– Ataques aéreos não farão isso (retomar os redutos dos insurgentes). Artilharia não fará isso. Botas no terreno farão isso. E quanto mais demorarmos mais difícil será – disse o senador McCain.

O senador John Kyl, um republicano do Arizona como McCain, afirmou na CBS:

– Permitir que os iraquianos tomassem a decisão de não entrar nesses redutos não foi uma boa decisão. Vamos ter de corrigi-la agora, entrando lá com os nossos fuzileiros e soldados.

McCain defendeu o aumento do número de tropas norte-americanas. Kerry e integrantes do Partido Democrata disseram que o governo planeja convocar reservistas depois da eleição. A campanha de Bush negou.