Caminho está livre para integração, diz ministro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 17 de maio de 2007 as 12:00, por: cdb

O ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, disse nesta quinta-feira que o caminho está livre para o governo fazer a obra de integração do Rio São Francisco e que o projeto será feito. – Não existe mais uma discussão de fazer ou não. Nós vamos fazer a obra porque essa é uma determinação do presidente da República – afirmou.

Segundo ele, o próprio Supremo Tribunal Federal já indicou que as obras podem ser realizadas. – As ações que efetivamente tramitaram no Supremo já mereceram apreciação do ministro Sepúlveda Pertence em um brilhantíssimo parecer a respeito do assunto, que deixou o caminho livre para nós fazermos as obras – contou Geddel. 

Em dezembro, Sepúlveda Pertence suspendeu as liminares que impediam o início das obras. No entanto, ainda tramitam no STF 11 ações civis contrárias ao projeto. – Eu creio que o Supremo Tribunal Federal já deixou de forma clara que essa obra é tecnicamente correta e socialmente, extremamente, justa. Portanto, eu creio que o caminho está aberto para nós fazermos essa obra, preservando o meio ambiente, cuidando dos chamados Estados doadores, fazendo o que nós estamos fazendo, que é implantando um amplo projeto de revitalização do Rio São Francisco, coisa que nunca foi feita – afirmou o ministro da Integração.

Em entrevista a emissoras de rádio, Geddel Vieira Lima disse que as ações que tramitam na Justiça “não trazem nada de novo” em relação às que já foram analisadas pelo ministro do STF. – Não creio que haja novidade nessa área. Se eventualmente houver, vamos lutar também no campo jurídico para implementar a obra -.

Para o ministro da Integração, a polêmica em torno do projeto vai acabar à medida que o governo debater o assunto com a sociedade. – Tenho absoluta certeza que nosso dever agora é continuar debatendo com a sociedade, incorporando sugestões, melhorando o projeto, sobretudo naquilo que diz respeito à questão da revitalização do rio para que o São Francisco volte a ter a força que sempre teve e, mais do que volte a ter, preserve a força que sempre teve – destacou.