Câmara absolve João Paulo, com folga de votos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 5 de abril de 2006 as 22:52, por: cdb

O Plenário da Câmara dos Deputados absolveu o deputado João Paulo Cunha (PT-SP), por 256 votos contra 209 pela cassação, além de sete votos em branco, nove abstenções e dois nulos, da acusação de ser mais um beneficiado com recursos do chamado valerioduto. Eram necessários 257 votos para cassar o mandato do parlamentar. O ex-presidente da Câmara é o oitavo deputado acusado de envolvimento com o esquema do valerioduto a ser absolvido pelo plenário da Casa.

Antes mesmo de concluída a apuração, João Paulo já havia conseguido os votos necessários para impedir a aprovação do parecer do Conselho de Ética.

– O Conselho de Ética, segundo o plenário, é um péssimo conselheiro e a nossa defesa do decoro comprovou apenas ser decorativa – reagiu o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ).

Embora João Paulo tenha sido obsolvido por uma diferença expressiva, em comparação com outras votações, nenhum parlamentar comemorou o resultado nos momentos finais da apuração.

– Aqui, só se cassa agora com cedilha – ironizou o deputado João Caldas (PL-AL).

João Paulo utilizou todos os 50 minutos regulamentares que tinha para se defender, mesmo tempo usado pelo relator Cezar Schirmer (PMDB-RS) para acusá-lo. João Paulo abriu mão dos advogados e fez, ele próprio, a defesa. Encerrada a argumentação, três parlamentares falaram a favor e três, contra, para em seguida se iniciar o processo de votação.

João Paulo alegou que o saque foi feito por determinação do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares.

– Eu estava convencido de que o dinheiro era oriundo dos cofres do partido – disse.

Segundo ele, os R$ 50 mil foram usados para pagamento de pesquisas eleitorais em quatro cidades da região de Osasco (SP).

O processo, agora, será arquivado e o parlamentar poderá concorrer às eleições de outubro próximo. O ex-presidente da Câmara assistiu ao final da votação de sua casa, acompanhado da mãe, da esposa e da filha.