Caixa pede desculpa a negros ao retirar comercial com Machado de Assis branco

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 21 de setembro de 2011 as 11:26, por: cdb

Caixa pede desculpa a negros ao retirar comercial com Machado de Assis branco

Por: Redação da Rede Brasil Atual

Publicado em 21/09/2011, 14:15

Última atualização às 14:15

Tweet

São Paulo – Um dia depois de receber um pedido de providências pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), a Caixa Econômica Federal retirou a campanha publicitária que trazia o escritor Machado de Assis como personagem. A crítica de ativistas ligados ao movimento negro e da secretaria era ao fato de que a propaganda “embranquecia” um dos principais nomes da literatura brasileira, o que contribuía para a “invisibilização dos afro-brasileiros”.

Em nota, o banco público pede desculpas a toda a população, especialmente “aos movimentos ligados às causas raciais”. A Caixa sustenta que a diversidade racial brasileira sempre é retratada em peças publicitárias e cita ações realizadas em parceria com a Seppir e com movimentos sociais.

Criada pela agência Borghierh/Lowe, a peça em vídeo lista imortais da Academia Brasileira de Letras (ABL) que foram correntistas do banco, para associar ao slogan adotado (“uma história escrita por todos os brasileiros”). Machado de Assis, que também foi cliente, era negro, mas seu papel foi interpretado por um ator branco. Na nota da Caixa, não há informações sobre mudanças no contrato de prestação de serviço com a agência de publicidade, nem de produção de uma nova versão do comercial.

Ao pedir a retirada do ar da campanha, a Seppir lamentou a “solução publicitária de todo inadequada” e encaminhou pedidos de providências também a outros órgãos, como o Ministério Público Federal, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República e o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar).

Assista ao vídeo

Leia também:
Pioneiros da luta antirracismo avaliam que discriminação continuaDiscriminação positiva – O antropólogo Kabengele Munanga diz que combater a discriminação racial no país é mais difícil porque é oculto sob o mito de uma suposta democracia racialAlém das cotas, é preciso um padrão de beleza diferenteSão Paulo Fashion Week cumpre acordo e abre espaço a modelos afrodescendentes