Cachoeira é solto por ordem da Justiça que o condenou a cinco anos de prisão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 20 de novembro de 2012 as 21:43, por: cdb

Cachoeira
Cachoeira vai recorrer da condenação em liberdade
Condenado pela 5ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) a cinco anos de prisão em regime semiaberto, nesta terça-feira, o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, responderá em liberdade pelos crimes de formação de quadrilha e tráfico de influência. Ele também foi condenado ao pagamento de 50 dias-multa, embora o valor exato não estivesse imediatamente disponível no tribunal. O regime semiaberto é aquele no qual o réu pode passar o dia fora do presídio e dormir na cadeia. Segundo a legislação, a pena em regime semiaberto deve ser cumprida em uma colônia agrícola ou industrial.

Tão logo soube da sentença, no início desta noite, Cachoeira avisou que iria recorrer da decisão. Ele foi preso durante a Operação Saint-Michel da Polícia Federal (PF). A apelação aparece no andamento do processo no TJDFT. Cachoeira foi condenado pela juíza do caso, Ana Cláudia Barreto. Segundo a defesa, assim que o empresário foi notificado da decisão no Presídio da Papuda, em Brasília, manifestou inconformismo ao próprio oficial de Justiça, que registrou a informação no processo. De acordo com o Código de Processo Penal, as sentenças definitivas emitidas por juízes podem ser apeladas em prazo de cinco dias após a notificação.

Além de Cachoeira, mais sete réus ligados ao empresário figuram no processo, mas o TJDFT ainda não informou a decisão para cada um deles. O andamento do processo registra que Gleyb Ferreira da Cruz, um dos principais assessores de Cachoeira que também está preso, já apelou da decisão. Na sentença de condenação, a juíza Ana Cláudia Costa Barreto, da 5ª Vara, expediu alvará de soltura em favor de Cachoeira. Segundo a assessoria de imprensa do TJ do DF, o alvará foi expedido porque a prisão não é mais preventiva, uma vez que há condenação.

Segundo o advogado de Cachoeira, Nabor Bulhões, o bicheiro será solto porque tem o direito de recorrer da decisão em liberdade até o trânsito em julgado da ação (quando não há mais possibilidade de recurso), mas a informação não foi confirmada pelo TJ. A equipe do advogado Bulhões esteve no presídio da Papuda para acompanhar o cumprimento do alvará de soltura.

Cachoeira foi condenado especificamente, segundo o Tribunal, por tentar fraudar o sistema de bilhetagem do transporte público de Brasília. Segundo a investigação, durante a Operação Saint Michel, da Polícia Civil do Distrito Federal, ele tentou forçar uma dispensa de licitação para a contratação de um sistema de bilhetagem de origem sul-corena. A Saint Michel é um desdobramento da Operação Monte Carlo, que apurou o envolvimento de agentes públicos e empresários em uma quadrilha que explorava o jogo ilegal e tráfico de influência em Goiás.

Cachoeira durante sessão da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga relações do contraventor com políticos optou por ficar em silêncio, mas será indiciado no relatório final a ser apresentado nesta quarta-feira.

Comments are closed.