Bush se diz “cansado” de Saddam Hussein

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 15 de janeiro de 2003 as 00:30, por: cdb

Enquanto as Forças Armadas norte-americanas intensificam sua mobilização na região do Golfo Pérsico, o presidente George W. Bush avisou, nesta terça-feira, que o prazo para o líder iraquiano Saddam Hussein cumprir as resoluções das Nações Unidas e acabar com suas alegadas armas de destruição em massa está se esgotando.

“Até agora, não vi nenhuma prova de que ele se desarmou”, disse Bush a jornalistas, antes de um encontro com seu colega polonês, Aleksander Kwasniewski, na Casa Branca.

“O tempo está se esgotando para Saddam Hussein”, prosseguiu. “Ele tem que se desarmar. Estou cansado e enojado destes jogos e desta fraude”.

Na segunda-feira, o chefe da comissão de inspeção de armas da ONU, Hans Blix, alertou que o Iraque tem que apresentar provas de seu programa de armas. Caso contrário, o país enfrentará a possibilidade de guerra.

“Acho que (as autoridades iraquianas) só precisam olhar ao redor de suas fronteiras e perceber a seriedade”, salientou Blix em entrevista à Associated Press, referindo-se claramente à mobilização militar dos norte-americanos no Golfo e no vizinho Kuwait.

Apesar do reforço de tropas e navios na região, o porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer afirmou, nesta terça-feira, que não há um “prazo específico” sobre o quanto os militares norte-americanos terão que esperar até receber ordens para agir.

Bush disse, reiteradas vezes, que analisaria o uso de força militar se Saddam Hussein deixasse de provar à ONU que seu país não dispõe de armas de destruição em massa.

Fontes do Pentágono calculam que os Estados Unidos deverão ter entre 200 mil e 250 mil militares no Golfo até meados de fevereiro.

Nesta terça-feira, os inspetores da ONU no Iraque visitaram seis locais, incluindo um laboratório, uma fábrica de mísseis e depósitos militares.