Bush prepara plano de paz para Oriente Médio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 15 de março de 2003 as 08:30, por: cdb

O presidente dos EUA, George W. Bush, disse nesta sexta-feira que pretende divulgar diretrizes de um plano de paz para o Oriente Médio tão logo a Autoridade Nacional Palestina (ANP) emposse um premiê com “autoridade real”.

O presidente da ANP, Iasser Arafat, já indicou o moderado Mahmoud Abbas, também conhecido como Abu Mazen, ao cargo, mas ele ainda não aceitou.

O presidente afirmou que o novo plano de paz, que prevê a criação de um Estado palestino em 2005 desde que a segurança de Israel esteja garantida, deve ser anunciado “imediatamente” após a posse do premiê.

Uma alta fonte do governo disse, no entanto, que há um forte receio de que o novo cargo seja apenas de fachada e que Arafat continue mandando de fato. Arafat já foi qualificado pelos EUA como “incentivador” do terrorismo. Ele já afirmou que seguirá controlando as áreas vitais de segurança e negociações de paz.

O anúncio de Bush não era esperado e teve dois objetivos: dar apoio ao premiê britânico, Tony Blair, sob ataque em seu país por apoiar a guerra contra o Iraque, e tentar obter o apoio de outros países do Oriente Médio para atacar o ditador Saddam Hussein.

Vários líderes árabes afirmam que o problema mais urgente da região é o conflito israelo-palestino, não o Iraque.

Quinta-feira, Blair havia dito que os EUA deveriam se preocupar também com ”os outros povos que sofrem” com conflitos no Oriente Médio.

A resposta de Bush teve o claro objetivo de mostrar que Blair tem influência sobre o presidente.

Antes e depois da Guerra do Golfo, em 91, o então presidente George Bush, pai do atual, também anunciou projetos de planos de paz para o Oriente Médio a fim de obter o apoio da comunidade árabe. Após o conflito, foi realizada uma inédita conferência de paz em Madri com os países árabes e Israel.

No pronunciamento, Bush exortou Israel a parar com as atividades de colonização judaica dos territórios palestinos de Gaza e Cisjordânia “tão logo o processo de paz seja iniciado”.