Bush nega ter abandonado educação

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 3 de janeiro de 2004 as 16:39, por: cdb

O presidente americano, George W. Bush, se defendeu neste sábado, das cada vez mais duras acusações sobre seu abandono da reforma educacional e assegurou que os resultados estão começando a surgir.

Bush aproveitou seu discurso radiofônico dos sábados para proclamar os ganhos da reforma educacional, em uma semana na qual se completa o segundo aniversário da assinatura dessa lei.

– Nossas reformas insistem em normas elevadas porque sabemos que todas as crianças podem aprender – disse.

O presidente defenderá sua política educacional esta semana durante dois atos, na segunda-feira no estado de Missouri e na quinta-feira no Tennessee, em uma ofensiva para -com as eleições a menos de dez meses- tentar convencer o país de que houve avanços neste campo.

A reforma da educação pretende aumentar o rigor da aprendizagem, com exames obrigatórios e uma maior supervisão do funcionamento das escolas -sobretudo as que têm problemas-.

No entanto, especialistas do setor e a oposição do Partido Democrata criticaram de forma reiterada o insuficiente financiamento da lei, que não permitiu segundo eles iniciar de forma adequada os ambiciosos objetivos da reforma.

Por outro lado, Bush afirmou neste sábado que “alguns críticos objetaram estas reformas porque acham que nossas expectativas são muito altas, ou que é injusto submeter todas as crianças aos mesmos standards”.

“Já basta de desculpas” na hora de justificar ou aceitar o fracasso escolar de muitas crianças ou o mau funcionamento crônico de muitas escolas públicas de zonas pobres, acrescentou.

Ao dar a resposta democrata, o congressista Tim Bishop (Nova York), insistiu que o financiamento da educação deve ser “uma prioridade americana”, mas ressaltou que durante 2003 houve uma falta de fundos de 8 bilhões de dólares para implementar as reformas com êxito.