Bush deve anunciar fim das sobretaxas ao aço importado nesta quinta

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 4 de dezembro de 2003 as 08:43, por: cdb

Nesta quinta-feira o governo Bush planeja anunciar que levantará as sobretaxas ao aço importado impostas em 2002, afirmando que a proteção comercial temporária permitiu que as siderúrgicas americanas se modernizassem para sobreviver contra a intensa competição global. As informações foram confirmadas por representantes do governo e do setor siderúrgico na quarta-feira (03).   

Os detalhes do anúncio ainda estavam sendo avaliados na noite de quarta-feira (horário local), e um oficial do governo disse que o timing pode ser alterado. O presidente Bush não realizará uma aparição pública formal para anunciar a decisão, afirmaram as autoridades, mas pode responder às perguntas dos repórteres na quinta-feira. De fato, ele deve enviar membros de seu gabinete, incluindo-se o secretário do Comércio Donald L. Evans, para confirmar a mudança, que a Casa Branca já havia adiantado nesta semana.

Ainda que a decisão de eliminar as sobretaxas represente uma rara mudança de política da administração Bush, e possa prejudicar a campanha de reeleição do presidente em Estados cruciais como Ohio, Virgínia do Oeste e Pensilvânia, o governo pretende afirmar que as sobretaxas estavam sendo levantadas porque haviam cumprido seu objetivo.

A mudança de política foi decidida depois que a OMC no mês passado condenou os EUA e autorizou tarifas retaliatórias por países europeus, asiáticos e sul-americanos contra as exportações americanas. A decisão também sobrevém á campanha dos consumidores americanos de aço – muitos deles são indústrias que também estão em Estados fundamentais para a campanha de Bush – que afirmaram que os males trazidos pelos preços mais altos do aço estavam superando os benefícios concedidos às siderúrgicas.

Bush impôs as tarifas em março de 2002, no momento que a fraca economia e o excesso de capacidade entre as siderúrgicas haviam levantado dúvidas sobre a habilidade das velhas empresas siderúrgicas americanas sobreviverem. O presidente disse que as tarifas seriam aplicadas por três anos, mas disse que re-examinaria sua decisão na metade deste período.

Desde então, o setor fez algum progresso na consolidação e redução de custos, mas não o suficiente, dizem os executivos do setor, para justificar o fim das tarifas antes dos três anos planejados.