Bush anuncia mudança na política externa para ‘punir opressores’

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 6 de novembro de 2003 as 16:31, por: cdb

O presidente dos EUA, George W. Bush, alertou alguns dos mais próximos aliados norte-americanos no Oriente Médio de que o status quo atual é inaceitável e todos os estados árabes devem caminhar em direção à democracia.

Além disso, Bush alertou os governos da Síria e do Irã, assim como a liderança da Palestina, de que ele pretende minar sua influência sob seus respectivos povos e sua legitimidade. O presidente norte-americano alertou que os esforços para levar a democracia no Oriente Médio serão difíceis e acrescentou que os EUA estão agora destinados a ficar profundamente envolvidos nas questões da região por “décadas”. Para justificar esse compromisso, Bush argumentou que maior liberdade é o única caminho para um Oriente Médio mais próspero e estável e o único caminho para um mundo mais pacífico no geral.

Bush disse que o número de países livres no mundo aumentou ao longo dos últimos 25 anos, mas esse progresso tem estado ausente no Oriente Médio. Ao invés disso, a repressão tem promovido a pobreza, a falta de educação, o terror e o ódio. Como resultado, Bush disse que os EUA irão abandonar sua política dos últimos 60 anos, de fazer o que fosse necessário para manter a estabilidade a qualquer custo, e irão se concentrar na punição de governos para oferecer maior liberdade.

Além dessas declarações sobre o Oriente Médio, o presidente fez um alerta a quatro outros países de que seus regimes entrarão em colapso e seus povos serão livres: Myanmar (ex-Birmânia), Zimbábue, Coréia do Norte e Cuba. O presidente dos EUA reconheceu que a China tem oferecido ao seu povo “um fragmento” de liberdade política e uma maior liberalização de sua econômica, mas acrescentou que o povo chinês não ficará satisfeito com isso por muito tempo.