Britânicos negam uso de bomba de fragmentação

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 3 de abril de 2003 as 11:00, por: cdb

Porta-vozes britânicos no Comando Central da coalizão militar contra o Iraque desmentiram nesta quinta-feira notícias de que suas forças estivessem usando bombas de fragmentação em Basra, no sul iraquiano.

“Eu posso declarar, categoricamente, que as forças britânicas não estão usando nenhum tipo de munição de fragmentação, nem em bombardeios aéreos nem da artilharia”, disse o coronel Chris Vernon numa entrevista coletiva em Doha, no Catar.

As bombas de fragmentação são controvertidas porque seus explosivos se espalham antes do impacto com o solo e podem causar danos e vítimas fora de seu alvo inicial.

A informação sobre o suposto uso desse tipo de bomba foi divulgada pela rede de televisão BBC, segundo a qual o episódio ocorreu durante um bombardeio aéreo perto de Basra, a segunda maior cidade do Iraque, com 1,5 milhão de habitantes.

As tropas britânicas já controlam boa parte da periferia da cidade, mas continuam enfrentando resistência de forças iraquianas posicionadas em seu interior.

Ainda em sua entrevista, Vernon confirmou apenas que a Grã-Bretanha possui bombas de fragmentação, mas só as usaria em um combate convencional, contra forças regulares do Iraque.

“Essa é uma munição legítima e nós nos reservamos o direito de usá-la contra forças iraquianas, quando for apropriado”, disse o coronel, enfatizando que a bomba ainda não foi utilizada devido ao risco de atingir civis.

Já os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, que bombardeiros B-52 haviam lançado, pela primeira vez nessa guerra, seis novas bombas CBU-105 – que são bombas de fragmentação, de 454 quilos – em ataques a blindados iraquianos que defendem Bagdá.