Brasilienses prestam homenagens no Dia de Finados

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 2 de novembro de 2015 as 15:03, por: cdb

Por Redação, com ABr – de Brasília:

A chuva deu uma trégua e milhares de pessoas foram ao Cemitério Campo da Esperança até o início da tarde desta segunda-feira, no Dia de Finados, em Brasília. O cemitério é o maior da região com 173 mil pessoas sepultadas. Os portões dos seis cemitérios do Distrito Federal (Asa Sul, Taguatinga, Gama, Sobradinho, Planaltina e Brazlândia) ficarão abertos até as 19 horas, informou a empresa Campo da Esperança, que administra os cemitérios de Brasília.

Há 401.300 pessoas sepultadas no Distrito Federal. São 173.500 na unidade da Asa Sul, 125.100 em Taguatinga, 41.500 no Gama, 20.400 em Sobradinho; 30.900 em Planaltina e 9.900 na unidade de Brazlândia.

Dia de Finados
Neste feriado, os portões dos seis cemitérios do Distrito Federal ficarão abertos até as 19 horas 

Pela manhã, o túmulo mais visitado foi o de Ana Lídia Braga, morta aos 7 anos. A estudante desapareceu em setembro de 1973 depois de ser deixada pelos pais na escola, sendo encontrada morta na sequência. O misterioso caso da menina Ana Lídia ocorreu em plena ditadura militar, durante o governo do presidente Médici, e chocou os moradores da capital. Ela virou nome de um parque em Brasília e seu túmulo é um dos mais procurados na cidade até hoje.

Emocionada, Maria de Lurdes Vital de Oliveira, aposentada, 80 anos, visita todos os anos o túmulo de Ana Lídia no Campo da Esperança. Ele acredita que a menina virou uma santa e faz milagres. O túmulo de Ana Lídia fica bem próximo ao do pai de Maria de Lurdes.

– Muito triste isso que aconteceu com ela. O povo tem muita devoção e recebe graças – disse.

Todos os cemitérios do Distrito Federal aumentaram o número de atendentes no feriado. Serão 15 terminais e 26 atendentes extras para reforçar o trabalho, além dos 170 funcionários da empresa, que permanecerão nos cemitérios em tempo integral. Velórios e sepultamentos estão sendo feitos normalmente.