Brasil tenta se igualar ao Quênia na São Silvestre

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 31 de dezembro de 2003 as 11:25, por: cdb

Os atletas masculinos do Brasil têm a chance de se igualar aos quenianos no número de títulos conquistados na São Silvestre. Se Marílson Gomes, apontado como o corredor brasileiro mais bem preparado, ou outro atleta do país superar os africanos nesta quarta-feira, ambos os países terão oito títulos.

A prova feminina começa às 15h15, e a masculina a partir das 17h (horários de Brasília).

Se considerada apenas a fase internacional da prova, que começou em 1945, o Brasil tem sete vitórias. Sebastião Monteiro, vencedor em 1945 e 1946, é o único bicampeão nacional.

Do Quênia, que ganhou seu oitavo título no ano passado, vem o maior campeão da São Silvestre. Paul Tergat cruzou a linha de chegada em primeiro lugar cinco vezes, a última delas em 2000.

Desde então, o país africano manda para a corrida mais tradicional do Brasil jovens revelações, mas que são um grande obstáculo para os brasileiros. “Eles são muito bem preparados. O Quênia revela novos atletas com a mesma facilidade que o Brasil revela jogadores de futebol”, comparou Vanderlei Cordeiro de Lima, outra esperança nacional de vitória.

A primeira vitória do Quênia aconteceu em 1992, com Simon Chemoiywo. Desde então, apenas dois brasileiros conseguiram ganhar a São Silvestre – Ronaldo da Costa (1994) e Emerson Iser Bem (1997). Em 2001, a medalha de ouro ficou com Tesfaye Jifar, nascido na Etiópia.