Brasil se prepararia para aumentar meta de superávit primário

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 26 de janeiro de 2003 as 19:04, por: cdb

O Governo brasileiro deve anunciar, nos próximos dias, o aumento para quatro por cento do Produto Interno Bruto (PIB) de sua meta de superávit primário para o setor público, na tentativa de recuperar a confiança dos investidores, informaram jornais brasileiros neste domingo.

Neste fim de semana, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, havia declarado a economistas no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, que o Brasil adotaria como meta um superávit superior aos 3,75 por cento do PIB que tinha negociado com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Evitando fornecer detalhes, o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, disse a jornalistas que o Brasil teria como objetivo um superávit fiscal que garantisse sua capacidade de continuar a pagar os serviços da dívida, estimada em 260 bilhões de dólares.

“Independentemente de nosso acordo com o FMI, o país está interessado em planejar os pagamentos de sua dívida de forma a não haver dúvidas de sua sustentabilidade”, afirmou Palocci.

O medo dos investidores com a perspectiva da vitória do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nas eleições de outubro do ano passado, provocou acentuadas quedas nos mercados financeiros do país.

Mas reiteradas garantias de Lula e sua equipe econômica de que manterão os gastos públicos e a inflação sob controle ajudaram a recuperar a confiança na economia brasileira.

E uma elevação na meta de superávit só contribuiria para estimular o crescente otimismo, afirmam economistas.

Cálculos extra-oficiais mostram que o Brasil pode ter fechado 2002 com um superávit primário de quatro por cento, acima dos 3,88 por cento acertados com o FMI no ano passado para receber um pacote de 30 bilhões de dólares.

A meta de superávit exclui pagamentos da dívida.