Brasil quer participar da reconstrução do Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 14 de abril de 2003 as 10:02, por: cdb

O Brasil tem interesse em participar do processo de reconstrução do Iraque, com os setores de serviços, engenharia e construção civil de olho na possibilidade de ser incluídas em projetos, com subcontratos obtidos junto às empresas norte-americanas que já foram escolhidas para essa tarefa, disse o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan.

Até o momento, não houve notícia de empreiteiras brasileiras que tivessem tentado participar dos projetos.

O presidente da área internacional da construtora Andrade Gutierrez, Pedro Pereira Neto, disse que pode existir a possibilidade de companhias norte-americanas buscarem parcerias para a realização de obras civis, montagem, fornecimento de equipamentos e de outros suprimentos.

O diretor de mercado da Área Sul do Brasil da Construtora Norberto Odebrecht, João Borba, declarou que o governo pós-guerra no Iraque deverá influenciar na participação das empresas do setor.

Até agora, a única empresa do Brasil que atuou no Iraque foi a construtora mineira Mendes Júnior, responsável pela obra de uma ferrovia em 1978.

Depois do início da Guerra Irã-Iraque, em 1980, o governo iraquiano não pagou por obras realizadas pela Mendes Júnior.