Brasil quer domínio de tecnologia nuclear

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 6 de janeiro de 2003 as 21:04, por: cdb

Ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral afirmou nesta segunda-feira que irá prioridade os setores espacial e nuclear. Ele afirmou, do hospital onde está internado, que o Brasil deverá perseguir o conhecimento para a fabricar a bomba atômica. Segundo Amaral, o país não tem a menor pretensão de renunciar ao conhecimento científico, embora o Brasil ser signatário do tratado de não-proliferação de armas nucleares.

Roberto Amaral criticou duramente a herança deixada pelo governo Fernando Henrique Cardoso. O ministro disse que não há tradição de investimento em tecnologia nas empresas privadas. Para ele, o país perdeu “as poucas áreas que investiam” com as privatizações realizadas na gestão de Fernando Henrique.

– Foi feito um processo de privatização, que foi um processo de depredação. A privatização das estatais implicou na destruição de centros de pesquisa mantidos por elas – disse Amaral em entrevista à BBC Brasil acrescentando que trabalhará para que a Finep (Financiadora de Estudos e Projetos, agência de fomento do Ministério) retome a tradição de investir na área tecnológica.

Questionado se o “conhecimento” de que fala inclui o necessário para a fabricação da bomba nuclear, Amaral respondeu que “inclui todo o conhecimento. O conhecimento do genoma, conhecimento do DNA, conhecimento da fissão nuclear”.

O ministro declarou que um dos pontos básicos da nova administração será a contribuição para o combate à fome. Ele afirmou que pretende fortalecer a área da ciência e da tecnologia, no qual o país estaria mais atrasado.

O ministro da Ciência e Tecnologia deve receber alta nesta segunda-feira. Ele foi internado no domingo, no Hospital das Forças Armadas, para tratar de um princípio de pneumonia. Depois de internado, Roberto Amaral despachou com seu chefe de gabinete, Carlos Siqueira, no quarto do hospital.