Brasil precisa destinar mais 25 bilhões de reais para educação

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 10 de setembro de 2003 as 05:10, por: cdb

O ministro da Educação, Cristovam Buarque, disse na última terça-feira que sua pasta contribui pouco com os investimentos em educação básica e afirmou que o País precisa destinar mais R$ 25 bilhões por ano ao sistema de ensino.
 
Cristovam disse também que é ‘fingimento’ afirmar que, só porque estão matriculados, crianças e jovens do País estão aprendendo.

– O Brasil inteiro precisaria gastar pelo menos mais R$ 25 bilhões por ano. Assim passaria de R$ 54 bilhões para praticamente R$ 80 bilhões, o que significaria 7% do Produto Interno Bruto (PIB), que é o que gasta qualquer país que quer dar um salto na educação – disse Cristovam.

– Se não fizermos isso, vamos continuar fingindo que educamos. Noventa e cinco por cento estão matriculadas, mas isso não é sinônimo de freqüência. Freqüentando as escolas, é um número muito menor. Um país só pode dizer que tem todas as crianças na escola quando todas terminam o ensino médio –  falou o ministro.

Cristovam afirmou ainda que ‘não adianta querer resolver a educação enquanto os professores ganharem uma miséria’.
 
– Temos de canalizar mais recursos para isso – completou.

O ministro deu a entrevista num momento em que se especula que ele deixará o cargo numa possível reforma ministerial. A hipótese de Cristovam deixar o MEC tem sido comentada por secretários estaduais de Educação.

Especialistas ouvidos pelo Estado concordam com o ministro na crítica ao sistema educacional. Para eles, a raiz do analfabetismo funcional de 67% entre os brasileiros, conforme revelou a pesquisa Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional da Fundação Paulo Montenegro/Ibope e da Ação Educativa, está na baixa qualidade da escola.

Os educadores questionam se o Brasil não estaria ‘enxugando gelo’ ao dar prioridade aos 20 milhões de analfabetos absolutos, que jamais freqüentaram escola, enquanto continua formando pessoas que sabem ler e escrever, mas são incapazes de entender textos simples.

Apesar disso, o primeiro grupo é alvo de um ambicioso programa lançado pelo governo federal, que pretende erradicar o analfabetismo até 2006.