Brasil pede ajuda à Suíça na Operação Anaconda

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 16 de novembro de 2003 as 11:46, por: cdb

O Ministério da Justiça pediu, em caráter informal, informações ao governo da Suíça sobre a existência de depósitos, em bancos do país, dos acusados de pertencer à quadrilha envolvida no esquema na venda de sentenças e proteção a contrabandistas investigado pela Operação Anaconda. De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, o ministério espera uma resposta para os próximos dias.

Conforme o jornal, a Polícia Federal (PF), baseada em extratos bancários apreendidos durante a operação em escritórios e residências dos acusados, tem quase certeza do envio ilegal de dinheiro para fora do país por parte dos supostos membros da quadrilha.

Entre os nomes repassados pelo Ministério ao governo suíço estão o do juiz João Carlos da Rocha Mattos, suspeito de liderar o grupo, e de sua ex-mulher, Norma Regina Emílio Cunha, suspeita de agir como tesoureira da quadrilha. Eles estão entre os nove presos por envolvimento no esquema.

A Folha de S.Paulo também informou que a secretária Nacional de Justiça, Cláudia Chagas, está recolhendo documentos e dados da investigação conjunta da PF com o Ministéiro Público (MP) para fazer o pedido formal de informações à Suíça.

Também suspeita-se que a quadrilha tenha enviado dinheiro ilegalmente para Áustria, Uruguai e Estados Unidos. Os investigadores pretendem conseguir até a próxima semana informações, embora que ainda incompletas, do que eles chama de “caixa internacional” do grupo. Os peritos tentam quebrar senhas eletrônicas dos computadores apreendidos na operação para conseguir mais detalhes.