Brasil está fora da disputa para sediar a Alca

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 9 de novembro de 2003 as 18:52, por: cdb

Cerca de 10 cidades no continente americano devem apresentar ofertas formais este mês para sediar a Área de Livre Comércio das Américas (Alca), o que poderá se traduzir em grandes somas de investimento para a vencedora e status internacional.

O Brasil decidiu ficar de fora da disputa. As americanas Miami, Atlanta, Colorado Springs, Chicago e Houston entrarão na briga ao lado da Cidade de Panamá, de Port of Spain, capital de Trinidad e Tobago, de Puebla e de Cancun, ambas no México.

Apesar de algumas apostas de que uma cidade brasileira poderia se candidatar, o governo descartou a possibilidade. O Itamaraty informou que por questões geográficas, países do sul e do norte do continente não deveriam participar da disputa, já que cidades no centro da região têm melhor acesso entre os países.

Além disso, argumentou, 14 dos 34 países estão na América Central. O Ministério das Relações Exteriores esclareceu ainda, que o governo brasileiro não tem uma candidata favorita e que as ofertas serão avaliadas em outro momento.

A cidade vencedora sediará o centro administrativo da Alca. Segundo especialistas, abrigar o secretariado significará abrir diversos postos de trabalho para advogados, contadores e lobistas. Os representantes de cada cidade entendem que a vencedora significará para as Américas o que Bruxelas figura para a União Européia.

– Os benefícios econômicos são reais. E ainda mais importante é o prestígio e o status de vencer – disse Terry McCoy, professor da University of Florida.

Para se ter uma idéia de tais benefícios, segundo o grupo de desenvolvimento estadual Enterprise Florida, se a cidade escolhida for Miami, cerca de 89 mil postos de trabalhos seriam criados, o que acrescentaria ao em torno de US$ 3,2 bilhões em folha de pagamento.