Brasil e mais sete países decidem combater narcotráfico na selva amazônica

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 12 de abril de 2002 as 16:22, por: cdb

Representantes das polícias de oito países amazônicos reunidos em Tabatinga, cidade brasileira fronteiriça com a colombiana Leticia, decidiram, nesta sexta-feira, coordenar as atividades de combate ao narcotráfico na região na selva amazônica. O grupo é composto pelos corpos policiais de Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela.

O coordenador-geral brasileiro de Prevenção e Repressão às Drogas, delegado Getúlio Bezerra, disse que o Brasil ficará a cargo da repressão ao ecstasy, enquanto a Colômbia cuidará da Operação Plataforma, contra a heroína, e o Peru se ocupará da operação Seis Fronteiras, contra o comércio ilegal de agentes químicos para a preparação de drogas ilegais, como a cocaína.

Bezerra revelou que a cocaína não é o único alvo da polícia na região. “Vamos enfocar o ecstasy e a heroína, que são ameaças novas”, ressaltou. O delegado contou que é a heroína que desperta maior preocupação, já que passou a ser uma alternativa rentável no continente desde a guerra do Afeganistão, onde estavam as principais plantações de papoula, usada na fabricação da droga. “A heroína já começou a invadir o Brasil, como prova as apreensões de 38 quilos feitas este ano nas cidades de São Paulo, Manaus e Boa Vista”, disse o delegado.