Brasil e Argentina querem acordo de não competição de exportações

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 22 de fevereiro de 2003 as 18:29, por: cdb

Os países do Mercado Comum do Sul (Mercosul), liderados por Brasil e Argentina, debaterão em reunião programada para 31 de março, em Assunção, como complementar algumas de suas indústrias para que não haja competição entre si no mercado mundial.

“Estamos trabalhando para concordar mecanismos que eliminem a concorrência entre nós e, por outro lado, mediante a complementação de certos setores industriais ganhar em conjunto novos mercados para o Mercosul”, declarou hoje, sábado, em entrevista coletiva o ministro argentino da Produção, Aníbal Fernández.

A reunião em Assunção dos ministros e secretários da Produção e Indústria do Mercosul é uma “iniciativa” do Brasil e da Argentina, acrescentou.

O Mercosul é formado por esses dois países, mais Paraguai e Uruguai, e tem como associados a Bolívia e o Chile.

Fernández comentou que, desde a posse do novo Governo no Brasil, realizou várias reuniões com o ministro brasileiro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlán, com o fim de “eliminar uma concorrência nada benéfica” e conseguir “acordos de complementação” industrial.

“Compartilhamos a idéia de não competir entre nós e conseguir uma complementação que permitirá o Mercosul avançar melhor na conquista de, por exemplo, os atraentes mercados asiáticos e africanos”, acrescentou o ministro argentino.

Fernández citou como exemplo a denominada “linha branca” de eletrodomésticos (como lava-roupas, fogões e geladeiras), pois admitiu que é “inútil tentar competir” com o Brasil, já que nesse país -segundo destacou o ministro- produzem “em um só dia o que na Argentina fabricamos em um mês”.

O ministro disse que as negociações dentro desse tema só aconteceram até o momento com o Brasil, mas disse estar convicto de que os demais membros do Mercosul compartilharão de um critério que “fortalecerá toda a economia da região”.