Brasil e Argentina discutem fortalecimento da aliança estratégica

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 25 de março de 2003 as 11:48, por: cdb

Em tempos de guerra no Iraque, o secretário geral do Itamaraty, embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, e o vice-chanceler argentino Martin Redrado reúnem-se nesta terça-feira para discutir o fortalecimento da aliança estratégica entre os dois países, incluindo cooperações na área de segurança e de defesa internacional. As informações são do Ministério das Relações Exteriores da Argentina.

Na pauta do encontro destaca-se, portanto, o ataque contra o Iraque, além das negociações do Mercosul com a União Européia (UE), para a formação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca) e os conflitos dos dois países no âmbito da Organização Mundial do Comércio.

Entre os assuntos considerados urgentes, estão, por exemplo, o conflito entre os dois países para a comercialização do açúcar brasileiro no país vizinho e as suspeitas dos governos argentino e norte-americano de que a tríplice fronteira Brasil, Argentina e Paraguai – abriga a representantes de grupos terroristas.

Desde que foi alvo de dois atentados, à embaixada de Israel e à Associação Mutual Argentina (AMIA), nos anos noventa, a Argentina suspeita que ali residem participantes dos atentados. O mesmo nível de preocupação em relação à tríplice fronteira não é observado entre os outros países. Mas a Argentina busca aliados nesta batalha.

A 32 dias das eleições presidenciais na Argentina, em 27 de abril, e a dois meses de o presidente argentino Eduardo Duhalde deixar o cargo, os dois governos realizam o encontro para afinar o discurso em questões políticas e econômicas.

Dentro desta linha de harmonizar idéias e ações, os dois embaixadores vão falar sobre a criação do Instituto Social do Mercosul e mecanismos de defesa e segurança internacional, a instalação de áreas de “controle integrado” nas fronteiras e estudos sobre a implementação de projetos de integração física bilateral.

Na extensa pauta de discussões do bloco, num momento de queda recorde no comércio entre os dois países, consta ainda o establecimento do Instituto Monetário. Essa foi uma idéia do ministro da Economia da Argentina, Roberto Lavagna, para quem através deste mecanismo será possível concretizar o desejo da moeda comum.

Outros assuntos no encontro entre o embaixadores Samuel Pinheiro Guimarães e Martin Redrado serão, o aperfeiçoamento da Tarifa Externa Comum (TEC) e o desenvolvimento de uma política energética comum.