Brasil avança para as quartas de final no handebol feminino

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 12 de agosto de 2016 as 12:16, por: cdb

A seleção brasileira encerrará a participação na primeira fase no próximo domingo contra Montenegro, único time do Grupo A que perdeu os três jogos disputados até o momento

Por Redação, com Reuters – do Rio de Janeiro:

 

A seleção brasileira feminina de handebol conquistou a terceira vitória em quatro partidas na Olimpíada do Rio, ao derrotar Angola por 28 a 24, e garantiu vaga nas quartas de final, dando mais um passo em busca da inédita medalha olímpica para a modalidade.

Barbara Arenhart e Fabiana Diniz comemoram a vitória
Barbara Arenhart e Fabiana Diniz comemoram a vitória

O Brasil, campeão do mundo em 2013, assumiu a liderança do grupo temporariamente com a vitória sobre as angolanas, se recuperando da derrota no jogo anterior para a Espanha. Antes as brasileiras haviam vencido a Romênia, que no Mundial de 2015 eliminou o Brasil, e a Noruega, ouro em Londres 2012.

A seleção brasileira encerrará a participação na primeira fase no próximo domingo contra Montenegro, único time do Grupo A que perdeu os três jogos disputados até o momento.

A partida contra Angola começou difícil para a seleção brasileira, em especial devido a uma boa atuação da goleira angola Cristina, e o jogo foi para o intervalo com empate de 13 a 13.

Mais experiente e com jogadores mais talentosas, o Brasil conseguiu deslanchar para a vitória no decorrer na etapa final, chegando a abrir vantagem de sete gols (27 a 20), e depois soube administrar a vantagem até fechar a vitória na Arena do Futuro, no Parque Olímpico do Rio.

Ana Paula foi a artilheira da seleção brasileira, com sete gols.

Com três vitórias em quatro jogos, o Brasil soma seis pontos em quatro partidas, contra quatro pontos de Noruega e Espanha, que têm um jogo a menos, e também de Angola. Os quatro primeiros colocados de cada grupo avançam para as quartas de final.

Atletismo da Rio 2016

O lançador de discos ucraniano Mykyta Nesterenko deu a largada para as competições de atletismo dos Jogos Rio 2016 sob uma manhã chuvosa e diante de arquibancadas com milhares de cadeiras vazias, nesta sexta-feira, no estádio com capacidade para 60 mil pessoas.

Há quatro anos os gritos ensurdecedores de arquibancadas lotadas de Londres receberam a favorita da casa Jessica Ennis, em um dos momentos mais marcantes dos Jogos de 2012.

Alemã Jennifer Oeser salta nos 100 metros com barreiras do heptatlo, com várias cadeiras vazias ao fundo
Alemã Jennifer Oeser salta nos 100 metros com barreiras do heptatlo, com várias cadeiras vazias ao fundo

Londres consegui esgotar os ingressos das competições diurnas de atletismo, enquanto assentos vazios eram quase norma nas Olimpíadas anteriores. Ainda assim, organizadores da Rio 2016 ficarão preocupados com as imagens que vão rodar o mundo mostrando muitos assentos vazios em uma das principais modalidades olímpicas.

O presidente da Associação Internacional de Federações de Atletismo, Sebastian Coe, disse nesta semana que não esperava estádio lotados e que houve “problemas na programação”, especialmente nas finais que serão tarde da noite. Mas, com sua organização desesperada por notícias positivas após um ano turbulento, ele espera que tudo melhore durante os Jogos.

Mesmo uma mudança na programação para incluir finais nas sessões diurnas não pareceu surtir efeito sobre os brasileiros. A etíope Tirunesh Dibaba possui uma chance histórica de se tornar a primeira mulher a vencer o terceiro ouro consecutivo em Olimpíadas ao correr os 10.000 metros na manhã desta sexta-feira.