Bovespa tem alta de 4,84%

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 5 de janeiro de 2004 as 21:28, por: cdb

A primeira segunda-feira de 2004 foi de grande otimismo na Bolsa de Valores de São Paulo. A Bovespa atingiu o recorde histórico de 23.531 pontos (segundo dados preliminares), com forte alta de 4,84%, a maior desde as eleições de 2002. Foi o maior salto desde 30 de outubro de 2002, três dias após o segundo-turno das eleições, quando o índice subiu 4,87%.

Veja as cotações do dólar comercial, paralelo, turismo e Ptax. Confira também o desempenho da Bovespa.
Ao contrário da bolsa paulista, o dólar comercial fechou a segunda-feira em queda de 0,79% em relação ao fechamento de sexta-feira, cotado a R$ 2,853 para compra e a R$ 2,855 para venda. Até o momento, a máxima cotação do dia na ponta de venda foi R$ 2,88. Na mínima do dia a moeda chegou a R$ 2,853 na venda.

O dia nos mercados

Dólar – O dólar encerrou a segunda-feira no nível mais baixo dos últimos dois meses, animado com o forte apetite internacional por ativos brasileiros, que impulsionava os C-Bonds para níveis recordes e derrubava o risco-país.

Bovespa – A Bolsa de Valores de São Paulo fechou a primeira segunda-feira de 2004 com a maior alta desde outubro de 2002, quando o mercado financeiro vivia fortes oscilações, provocadas pela tensão eleitoral.

Segundo operadores, uma nova rodada de apostas no mercado de ações foi feita, estimulada também pelo bom ânimo das principais praças globais. As expectativa de manutenção de juros baixos nos Estados Unidos foi apontada como causa para a realocação de recursos de estrangeiros.

Títulos da dívida – Os C-Bonds, principais títulos da dívida externa brasileira, subiram com força nesta segunda-feira e superaram pela primeira vez na história o nível de 99% do valor de face, num sinal do contínuo interesse do investidor internacional por ativos brasileiros. O risco Brasil caiu para 425 pontos, com osciação negativa de 5,97%.

Juros – O dólar encerrou a segunda-feira no nível mais baixo dos últimos dois meses, animado com o forte apetite internacional por ativos brasileiros, que impulsionava os C-Bonds para níveis recordes e derrubava o risco-país.

Petróleo – Os preços do barril de petróleo no mercado internacional registraram forte alta, de mais de US$ 1, em razão da previsão de queda das temperaturas na região Nordeste dos Estados Unidos, local onde mais se consome combustível para calefação de ambientes no mundo.

Wall Street – As bolsas de valores dos EUA fecharam em forte alta nesta segunda-feira. O movimento foi liderado pelas ações do setor de tecnologia, que empurraram o Nasdaq para o nível mais alto em quase dois anos. 

Europa – As principais bolsas de valores da Europa fecharam a primeira segunda-feira do ano em alta. O ânimo dos investidores, renovado pelas apostas em 2004, foi freado pelo impacto da desvalorização do dólar.

Ásia – Os mercados de valores asiáticos iniciaram a semana em alta nesta segunda-feira, acompanhando a tendência positiva de Wall Street e animados com as perspectivas econômicas locais.