Bovespa despenca 3,62%, terceira maior queda do ano

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 19 de maio de 2003 as 17:54, por: cdb

A Bovespa despencou 3,62%. Foi a terceira maior queda percentual do ano e a maior desde 10 de março (3,87%).

O mercado seguiu o tombo das Bolsas no exterior, prejudicadas pelo temor de um atraso na retomada do crescimento da economia, após uma nova onda de atentados (Arábia Saudita, Marrocos e Israel) e um alerta do FMI sobre o risco de deflação mundial.

Para o sócio da ARX Capital, Carlos Eduardo Ramos, além de sofrer com a piora do cenário externo, a Bovespa antecipa um cenário de frustração com a reunião do Copom, que anuncia na próxima quarta-feira sua decisão sobre os juros – hoje em 26,5% ao ano.

– Não há clima para um corte de juros. Isso funciona como uma ducha de água fria no ânimo do mercado acionário -, diz Ramos.

Para o gerente da mesa de operações de renda variável do BES (Banco Espírito Santo), Marco Melo, a expectativa de manutenção dos juros pelo Copom serve para desinflar a bolha do otimismo.

Na sua opinião, a volta do fantasma do terrorismo potencializa as incertezas dos investidores sobre a recuperação da economia global.

– Os indicadores vieram péssimos tanto nos EUA como na Europa, sinalizando deflação, o que se traduz por baixa atividade econômica. Os investidores agora revisam suas projeções para as empresas considerando um cenário de menor rentabilidade -, afirma Melo.

No último domingo (18), o FMI divulgou estudo onde afirma existir o risco de o mundo entrar em um processo de deflação. Para vários países importantes, como a Alemanha e Japão, o risco é “elevado”.

Para o analista do BES, a queda do Ibovespa pode indicar uma tendência a curto prazo. Um sinal é que o volume financeiro ficou bastante expressivo. Os negócios movimentaram nesta segunda-feira mais de R$ 1,4 bilhão, incluindo cerca de R$ 650 milhões referentes ao exercício dos contratos de opções.

“Nossos próximos passos vão depender do mercado externo”, diz o sócio da ARX.