Botafogo perde para time reserva do Tricolor e é rebaixado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 17 de novembro de 2002 as 18:16, por: cdb

O Botafogo virou neste domingo uma das páginas mais tristes da sua história. O time foi derrotado pelo São Paulo por 1 x 0, no estádio Caio Martins, e rebaixado para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro.

Pior: com o resultado e a vitória do Gama sobre o Coritiba, o Botafogo terminou na lanterna da competição (25 pontos). Ainda foi o time que menos venceu e o que menos marcou gols (24). Já o São Paulo, ao contrário, terminou a primeira fase na liderança com 52 pontos e agora enfrenta o Santos, nas quartas-de-final.

O jogo era decisivo e o Botafogo usou de todos os subterfúgios para saber dos resultados da rodada antes do apito final. Com 20 minutos de atraso, o árbitro Luciano Almeida iniciou a partida. Enquanto isso, todas as outras partidas já haviam iniciado – Vitória e Palmeiras, inclusive, empatavam em 1 x 1, e o Figueirense batia o Paraná Clube por 1 x 0.

A sonolência do Botafogo parou por aí. Com trinta segundos, Esquerdinha tentou a conclusão, mas pegou mal na bola. No rebote, Márcio Gomes chutou no poste direito de Roger. A blitz continuou. Aos 7min, Almir fez boa jogada na entrada da área e mandou uma bomba de canhota. A bola explodiu no pé da trave esquerda do goleiro.

Garantido na primeira colocação da primeira fase, o São Paulo tocava a bola despretensiosamente. Mesmo assim, ainda assustou a torcida do Botafogo, aos 11min, quando Júlio Baptista chutou forte e Carlos Germano fez bela defesa de mão trocada.

Mas era o Botafogo quem mandava em campo. Aos 15min, Daniel recebeu passe açucarado de Ademílson e chutou em cima da zaga. Dois minutos depois, o mesmo Daniel chutou de fora da área. Roger espalmou e, no rebote, saiu nos pés de Lúcio, evitando o gol alvinegro.

Depois de um início avassalador sem, no entanto, ter aberto o placar, o Botafogo sentiu o cansaço e os lances de perigo rarearam. A última chance alvinegra foi aos 44min. Lúcio fez boa jogada pela direita e cruzou na cabeça de Ademílson. O atacante testou com precisão, mas a bola bateu novamente na trave.

Com o placar paralelo de 3 x 0 e o empate sem gols, o Botafogo foi para o intervalo precisando de apenas um gol para se livrar do rebaixamento. “Está faltando um pouquinho de sorte e insistência”, pregou o técnico Carlos Alberto Torres.

O Glorioso voltou para o segundo tempo com a corda toda, mas sofreu um castigo aos 9min. Jorginho Paulista lançou Dill na área. Livre, o atacante chutou em cima de Carlos Germano, que fechou o ângulo. No rebote, o mesmo Dill enfiou a bola por cobertura no fundo da rede: São Paulo 1 x 0.

Desesperado, o Botafogo foi com tudo para o ataque e desperdiçava chances incríveis de empatar a partida. Aos 10min, Lúcio entrou na área e chutou cruzado. A bola passou raspando no poste esquerdo de Roger. Pouco depois, Ademílson entrou na área e foi derrubado por Daniel Rossi. Pênalti claro que o árbitro ignorou.

O Capitão do Tri ainda tentou suas últimas cartadas, colocando em campo os meias Camacho e Geraldo nos lugares de Esquerdinha e Daniel, mas o fundo do poço estava cada vez mais perto.

No final do jogo, o zagueiro Sandro ainda perdeu a cabeça e agrediu o lateral Jorginho Paulista. Expulso de campo, o jogador protagonizou cenas de um clube falido e que vai disputar a segunda divisão do Brasileiro em oito meses – turno e returno.

BOTAFOGO 0 x 1 SÃO PAULO

Botafogo
Carlos Germano; Márcio Gomes (Rodrigão), Gilmar, Sandro e Rodrigo Fernandes; Carlos Alberto, Almir e Esquerdinha (Camacho); Daniel (Geraldo), Ademílson e Lúcio
Técnico: Carlos Alberto Torres

São Paulo
Roger; Reginaldo, Wilson e Régis; Rafael, Daniel Rossi, Júlio Baptista, Adriano (Aílton) e Jorginho Paulista; Leandro (Vitor) e Dill (Oliveira)
Técnico: Oswaldo de Oliveira

Data: 17/11/2002 (domingo)
Local: Caio Martins, em Niterói
Juiz: Luciano Augusto Almeida (Fifa-DF)
Cartões amarelos: Régis (São Paulo); Gilmar e Lúcio (Botafogo)
Cartão vermelho: Sandro (Botafogo)
Gols: Dill, aos 9min do segundo tempo