Bombeiros trabalham em vazamento de tanque em Santos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 8 de abril de 2015 as 10:41, por: cdb
Bombeiros terão de consertar dois pontos de vazamento no único tanque que pega fogo no terminal, na cidade de Santos
Bombeiros terão de consertar dois pontos de vazamento no único tanque que pega fogo no terminal, na cidade de Santos

 

Os bombeiros que trabalham no incêndio dos tanques da empresa Ultracargo, no bairro da Alemoa, na cidade de Santos, fizeram nesta quarta-feira uma operação de alto risco. Eles terão de consertar dois pontos de vazamento no único tanque que ainda pega fogo no terminal. O incêndio entra no sétimo dia, mobilizando 140 bombeiros e 49 viaturas.

Para esta quarta-feira, está prevista a chegada do ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, a Santos, para participar de uma reunião de monitoramento. O maior risco do trabalho ocorre pela entrada de um bombeiro na área de contenção para efetuar os reparos. O conserto dos dutos, que se romperam em uma das explosões, é importante, pois os vazamentos alimentam as chamas.

Na terça-feira, após a descoberta dos vazamentos, os Bombeiros não combateram diretamente as chamas e se concentraram no resfriamento dos tanques. O uso de um pó químico seco cedido pela Empresa Brasileira de Infraestutura Aeroportuária (Infraero), mais eficiente no combate direto ao fogo, que estava previsto para terça-feira, foi adiado. O produto só vai ser usado quando os vazamentos forem contidos.

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) divulgou novos dados sobre o meio ambiente em Santos, que vem sendo monitorado. A qualidade do ar está boa na unidade de monitoramento instalada no bairro Bom Retiro, a 3 quilômetros do local do incêndio.

O resultado da coleta de água nos rios indicara que o teor de oxigênio dissolvido e a temperatura da água são prejudiciais para a vida aquática. Foi constatada também a presença de combustível nos rios, o que pode ter provocado a mortandade de peixes na região.

Comboio

Um comboio foi organizado pela polícia rodoviária durante a madrugada para levar alguns caminhões da região de São Paulo para o porto de Santos, aliviando momentaneamente um bloqueio aos veículos de carga que já começa a prejudicar os embarques de produtos nos terminais.

Desde segunda-feira o acesso de caminhões à margem direita do porto, no município de Santos, está interditado devido a um incêndio em um terminal de armazenagem de combustíveis no distrito da Alemoa, na entrada da cidade.

 

A Polícia Rodoviária Estadual não informou imediatamente o número de caminhões que tiveram acesso aos terminais em Santos.

De maneira geral, os caminhões continuam proibidos de acessar a margem direita do porto. A interdição está prevista para terminar na sexta-feira, mas a situação é avaliada a cada 12 horas pelas autoridades que trabalham no combate ao incêndio, podendo haver uma liberação antecipada caso o quadro na região melhore.

– A medida (de restrição aos caminhões) tem o objetivo evitar congestionamentos na entrada da cidade enquanto as equipes ainda trabalham no combate ao incêndio em tanques no bairro Alemoa – destacou a concessionária Ecovias, que administra as rodovias que ligam São Paulo à Baixada Santista.

O incêndio começou na quinta-feira em uma unidade da Ultracargo, do Grupo Ultra e ainda não foi debelado.

Grandes empresas exportadoras de soja que operam na margem direita do porto de Santos não têm mais estoques suficientes para manter o ritmo habitual de embarques, disse na terça-feira a Abiove, entidade que reúne as grandes indústrias e tradings do setor.