Bomba-relógio ambiental na costa da Espanha

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 20 de novembro de 2002 as 14:44, por: cdb

Os espanhóis acompanham com ansiedade, nesta quarta-feira, a movimentação dos ventos, que ameaçam empurrar para a costa do país toneladas de óleo do petroleiro Prestige, que na véspera se partiu em dois pedaços e afundou no Oceano Atlântico.

Ecologistas alertaram que o navio poderá se tornar uma bomba-relógio ambiental, uma vez que levou para o fundo do mar cerca de 65 mil toneladas de petróleo – o dobro do volume derramado pelo Exxon Valdez na costa do Alasca, em 1989.

O Prestige, que já havia liberado no mar cerca de 10.000 toneladas de combustível ao ficar à deriva, há uma semana, encontra-se a 3.600 metros de profundidade. Acredita-se que quantidade igual de óleo tenha vazado após o afundamento da embarcação.

Alguns especialistas expressaram confiança em que o combustível nos tanques do navio se endureça por causa da gélida temperatura submarina e da pressão do fundo do oceano.

Equipes de ecologistas correm contra o tempo para salvar aves marinhas cobertas de petróleo. Um centro de resgate montado em La Coruña, capital da região da Galícia, conta com a ajuda de voluntários e de técnicos do mundo inteiro, que limpam cuidadosamente as penas dos animais.

Ainda assim, é possível que o impacto do acidente com o Prestige em uma das áreas de pesca mais ricas do mundo, famosa por suas lagostas, seja sentido por uma década.

“Eles (os ecologistas) vêm aqui e limpam tudo, mas o mar se encarrega de trazer mais óleo”, comentou o pescador José Camano, de 72 anos. “É a ruína completa para todos nós Quem vai querer comprar peixes agora?”.

A previsão da meteorologia indica que ventos procedentes do oeste deverão empurrar o óleo espalhado na água para a costa galega, onde as autoridades espalharam 28 quilômetros de barreiras infláveis para tentar conter o produto.

O governo espanhol avaliou que pelo menos 4.000 pescadores e outras 28 mil pessoas que atuam em atividades correlatas ficarão temporariamente sem trabalho.

Em Madrid, o governo prometeu isenção fiscal e indenização para os moradores afetados pelo acidente. A indústria de pesca rende 330 milhões de dólares por ano à Galícia.

As autoridades estimaram em 100 milhões de dólares, no mínimo, os prejuízos já causados pela tragédia ambiental.

Cabos-de-guerra e outras embarcações de toda a Europa, auxiliados por aviões, aproximaram-se do local onde o Prestige afundou, a 210 quilômetros da costa noroeste da Espanha. Entretanto, as ondas altas impediram as equipes de fazer qualquer tentativa de isolar o óleo na água.

“Temos uma bomba-relógio no fundo do mar”, resumiu a ativista Maria José Caballero, do grupo ambientalista Greenpeace.

“Não há nada que nos faça acreditar que o navio não vá explodir e vazar todo o óleo”, prosseguiu. “É uma substância insolúvel, viscosa e pegajosa, o que dificulta as operações de limpeza”.