Bomba mata 20 em cidade xiita do Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010 as 09:41, por: cdb

Uma bomba em uma carreta rebocada por uma moto matou pelo menos 20 pessoas na quarta-feira na cidade sagrada de Kerbala, onde centenas de milhares de xiitas participam de um ritual religioso, segundo a polícia.

Foi o terceiro atentado nesta semana contra os xiitas que realizam a árdua peregrinação até esta cidade 80 quilômetros ao sul de Bagdá. Fontes policiais e hospitalares disseram que até 110 pessoas ficaram feridas.

Insurgentes sunitas, inclusive da Al Qaeda, costumam realizar atentados suicidas ou com granadas e tiros contra aglomerações xiitas, na esperança de retomar o conflito sectário que quase estilhaçou o Iraque em 2006 e 2007.

Os ataques podem ter repercussões políticas no país, que realiza eleições parlamentares em 7 de março.

– Lamento ver que os políticos iraquianos não pouparam esforços para preparar a próxima eleição, enquanto ao mesmo tempo os corpos de inocentes são estraçalhados por bombas – disse o professor Abdul-Amir Hassan, 41 anos, que passou uma semana caminhando até Kerbala para o ritual do Arbain, que marca os 40 dias de luto pela morte de Hussein, neto de Maomé que morreu em uma batalha no século VII.

– Os recentes ataques terroristas contra peregrinos em todo o país provam a confusão e a incapacidade das forças de segurança para lidar com uma situação delicada como a do Arbain –disse Hassan.

A polícia disse que três pessoas haviam morrido e 21 ficaram feridas na noite de terça-feira por causa da explosão de uma bomba colocada em um veículo militar, também em Kerbala. Na segunda-feira, uma mulher-bomba matou mais de 40 peregrinos nos arredores de Bagdá.

O primeiro-ministro Nuri Al Maliki faz da melhoria da segurança um tema central da sua campanha eleitoral, e ordenou que as forças de segurança deem melhor proteção aos peregrinos que seguem para Kerbala.

Mas os atentados que vêm se repetindo desde agosto podem impedir Maliki de capitalizar politicamente a redução geral da violência nos últimos dois anos, talvez afetando suas chances de reeleição.

Autoridades municipais dizem que há cerca de 30 mil soldados e policiais em Kerbala, inclusive 2.500 mulheres encarregadas de revistar peregrinas que usam os largos trajes tradicionais
Estima-se que 6 milhões de peregrinos – do Iraque, Kuweit, Omã, Arábia Saudita, Bahrein, Índia, Paquistão, EUA e outras nações – estejam em Kerbala.