Bomba explode em pizzaria de Jerusalém e mata 13 pessoas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 9 de agosto de 2001 as 10:26, por: cdb

Uma bomba explodiu nesta quinta-feira em uma pizzaria de Jerusalém, causando a morte de pelo menos 13 pessoas e ferindo cerca de 70, segundo cálculos da polícia de Israel.

As primeiras informações das autoridades são de que o atentado teria sido obra de um terrorista-suicida. O primeiro-ministro Ariel Sharon convocou uma reunião de emergência de seu gabinete para discutir a situação.

Entre as vítimas fatais há pelo menos seis crianças, segundo os correspondentes da CNN em Jerusalém Mike Hanna e Jerrold Kessel.

Imagens transmitidas pela televisão mostraram freqüentadores do restaurante, ensangüentados, sendo retirados de maca.

Dentro da pizzaria, o cenário era de devastação. A pizzaria Sbarro fica perto da esquina da Rua George com a Avenida Jaffa, uma das vias mais movimentadas de Jerusalém.

Policiais isolaram rapidamente a área do atentado, enquanto outros vasculhavam as redondezas, temendo haver outra bomba no local.

Um porta-voz do governo disse não ter dúvidas de que a explosão foi um ataque palestino e acrescentou que a Autoridade Palestina, de Yasser Arafat, teria de aceitar a responsabilidade pelo atentado.

Caso se confirme envolvimento palestino na explosão, este teria sido o primeiro ataque suicida numa cidade israelense desde 1 de junho passado, quando mais de 20 pessoas morreram num atentado a uma discoteca de Tel Aviv.

O atentado em Tel Aviv levou israelenses e palestinos a aceitar um cessar-fogo, que entrou em vigor em 13 de junho. Mas a violência na Cisjordânia e em Gaza continuou virtualmente sem controle, apesar do anúncio de trégua.

O premier Sharon, reiterou em diversas oportunidades que não aceita negociar com os palestinos até que haja uma completa cessação das hostilidades.

Os palestinos dizem, por sua vez, que não há como pôr fim à violência enquanto não surgir uma solução política para o conflito no Oriente Médio.

(Os correspondentes da CNN em Jerusalém contribuíram para esta reportagem)