Bolsas asiáticas fecham em alta após anúncio positivo dos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008 as 10:23, por: cdb

As bolsas de valores asiáticas fecharam em alta nesta quinta-feira, com o resultado das vendas no varejo nos EUA em janeiro. O anúncio, nesta quarta-feira, surpreendeu os investidores com uma alta de 0,3%. O crescimento econômico no Japão também ajudou a reduzir os temores sobre uma desaceleração econômica global acentuada. O índice referencial Hang Seng da Bolsa de Hong Kong fechou o pregão desta quinta em alta de 3,68%, aos 24.021,68 pontos; o índice Kospi, da Bolsa de Seul (Coréia do Sul), fechou em alta de 4,02%, com 1.697,45 pontos. O indicador tecnológico Kosdaq ganhou 2,15%, indo para 649,53 pontos; e o índice Nikkei 225, da Bolsa de Tóquio (Japão), fechou em alta de 4,27%, aos 13.626,45 pontos. O índice Topix, que reúne todos os valores da primeira seção, subiu 3,66%, para 1.332,44 pontos.

No mercado chinês, porém, a Bolsa de Xangai fechou em alta de 1,37%, aos 4.552,32 pontos no índice geral. O volume de negócios foi de US$ 8 bilhões. Em Shenzhen, o índice geral fechou com alta de 1,23%, aos 16.704,94 pontos. O volume de negócios foi de US$ 3,766 bilhões.

A Bolsa de Jacarta (Indonésia) encerrou em alta de 2,1%, depois que a agência de classificação de risco Fitch Ratings elevou a nota de risco do país de “-BB” para “BB”, citando as reformas estruturais promovidas pelo governo. O resultado das vendas no varejo em janeiro reverteu o desempenho fraco registrado em dezembro, quando houve queda de 0,4%. O dado foi visto como sinal de que, mesmo com a economia americana em ritmo de desaceleração, os gastos dos consumidores ainda se mantêm em nível satisfatório.

Dados sobre consumo nos EUA são acompanhados com atenção por investidores e economistas, uma vez que respondem por cerca de 70% de toda a atividade econômica do país. Mais gastos do consumidor são vistos pelos investidores asiáticos como sinal de que as exportações das empresas da região continuarão a abastecer os mercados norte-americanos.