BNDES quer ampliar o número de salas de cinema no país

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 22 de maio de 2007 as 22:04, por: cdb

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou um financiamento de R$ 2 milhões para a instalação de seis salas de cinema em Bangu, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Esse é o primeiro empréstimo concedido no estado pelo banco no âmbito no Programa de Apoio à Cadeia Produtiva do Audiovisual (Procult).

O financiamento destina-se à Redecine-Rio Cinematográfica, que pretende instalar as salas no Bangu Shopping.

– Em um raio de 14 quilômetros, tendo como epicentro o complexo de salas que será construído, há 600 mil pessoas e nenhuma sala de cinema, quando a média no Brasil é de uma sala de cinema para cada 95 mil habitantes -, disse o assessor para Assuntos de Cultura do banco, Sérgio Sá Leitão.

Segundo ele, a pouca oferta de lazer em regiões de alta densidade populacional acaba agravando o quadro de desagregação social.

– Bangu é uma região que não tem um equipamento cultural estabelecido. Já teve vários cinemas, cujos prédios foram adquiridos e transformados em igrejas -, acrescenta o sub-prefeito da cidade, Albério Rocha.

Sá Leitão ponderou que, embora mercado brasileiro de exibição cinematográfica cresça à média de 7% ao ano, a concentração das salas de cinema ainda é alta no país.

– Temos salas de cinema em apenas 7% dos municípios, e somente 10% dos brasileiros costumam ir ao cinema. Isso  configura um quadro de concentração muito grande, em especial nas capitais e nas zonas mais ricas dessas cidades -, disse.

O Procult registra 20 operações em diferentes estágios, envolvendo recursos de até R$ 50 milhões. Os projetos englobam as diferentes linhas apoiadas pelo programa: produção, exibição, distribuição e infra-estrutura. Para 2007 e 2008, o programa dispõe de R$ 175 milhões para financiamentos à cadeia produtiva audiovisual.