Blair viaja para conversar com Bush sobre Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 7 de setembro de 2002 as 00:51, por: cdb

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, está se preparando para voar aos Estados Unidos neste sábado e conversar com o presidente George W. Bush sobre a criação de uma coalização internacional para uma possível ação militar contra o Iraque.

Blair vai viajar para a casa de campo do presidente americano, em Camp David, para discutir o que pode ser feito para impedir que o governo de Saddam Hussein desenvolva e use armas de destruição em massa.

O primeiro-ministro deixou claro que a Grã-Bretanha vai apoiar os Estados Unidos nas medidas contra Saddam Hussein, e o ministro do Exterior, Jack Straw, afirmou que uma ação militar não deveria ser descartada.

Na sexta-feira, Blair e Bush falaram aos outros membros do Conselho de Segurança da ONU – e é provável que eles estejam pensando na possibilidade de uma nova resolução da Organização das Nações Unidas contra o Iraque.

Conselho de guerra

Blair e Bush insistem que o encontro não vai ser a reunião de um conselho de guerra, mas ambos certamente vão analisar uma série de passos que poderiam terminar numa ação militar.

Mas seus colegas no conselho de segurança – Rússia, China e França – levantaram dúvidas sobre as implicações legais de uma guerra contra o Iraque e os efeitos que poderia ter na estabilidade do Oriente Médio.

O encontro do primeiro-ministro britânico com o presidente americano seria um teste para saber o quanto Bush está aberto a trabalhar através da ONU e a dar à diplomacia uma última chance.

Eles podem decidir pedir à ONU que aprove uma resolução jogando sobre o Iraque o ônus de provar que o país não está desenvolvendo armas de destruição em massa.

Os resultados podem aparecer no próximo discurso de Bush perante a Assembléia-Geral da ONU – um ano e um dia depois dos atentados de 11 de setembro, que deflagraram a guerra contra o terror.

Blair vai ficar apenas algumas horas nos Estados Unidos, mas os ministros do Exterior e da Defesa britânicos ficarão lá por quase toda a próxima semana.