Bird liberará até US$ 10 bi nos três primeiros anos do Governo Lula

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 21 de novembro de 2002 as 23:48, por: cdb

O Banco Mundial (Bird) liberará entre US$ 6 bilhões e US$ 10 bilhões para o Brasil nos primeiros três anos do novo governo, informou o presidente da instituição, James Wonfensohn, após encontro, hoje com o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva. O presidente do Bird disse que espera “ansiosamente” para realizar a parceira com o novo governo, “que venceu as eleições democraticamente, sob a plataforma da mudança social, com responsabilidade financeira”.

Para justificar o otimismo, Wonfensohn disse que o presidente eleito teria dito, no encontro, que os dois “cantam a mesma música”, ou seja, tanto o Banco Mundial quanto o PT têm o objetivo do combate à fome e à pobreza. “Esse é um momento importantíssimo para o Brasil e para o mundo”, comentou, ao afirmar que as desigualdades sociais presentes especialmente na América Latina devem ser reduzidas, sob pena de o mundo sofrer reflexos negativos desse contexto. “A menos que esta trilha seja seguida, haverá problemas significativos”, enfatizou.

Wonfensohn chamou atenção ainda para a necessidade de haver um pacto social nacional. “O dinheiro que o Banco Mundial vai dar não é o mais importante. A questão aqui é saber o que os brasileiros vão fazer”, disse. Ele conclamou as camadas mais ricas do país a participarem do acordo até mesmo dividindo a sua riqueza no combate à pobreza, à fome e às desigualdades. “Tem que haver sacrifícios, tem que haver compartilhamento”, acrescentou.

Ele disse ter percebido, durante os quatro dias em que esteve no Brasil, uma mudança de pensamento das classes ricas com relação ao tema. “Nos mais de 40 anos de visitas ao Brasil, jamais ouvi discussões como essas, em torno do engajamento da sociedade no combate à fome”, ressaltou.

O presidente do Bird disse esperar também um programa de continuidade ao que já vem sendo feito pelo presidente Fernando Henrique Cardoso na área social. “As realizações de Fernando Henrique não foram poucas, por isso Lula terá uma boa base sobre a qual progredir”, disse.

O empréstimo do Bird poderá ser destinado, segundo ele, não apenas para as áreas sociais, como educação e saúde, mas também para o setor de infra-estrutura. Argumentou que sem boas estradas não há como levar as crianças para a escola e sem resolver o problema da água, regiões como o Nordeste não conseguem acabar com a fome.