Biodiesel brasileiro será apresentado no Parlamento da Alemanha

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 12 de fevereiro de 2008 as 07:16, por: cdb

A experiência brasileira com o biodiesel será apresentada no dia 20 de fevereiro em audiência pública no Parlamento Alemão, em Berlim, na Alemanha. O coordenador do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Arnoldo de Campos, participará do painel Potenciais de Desenvolvimento da Agricultura Familiar.

Em sua exposição, Campos abordará as iniciativas do Governo brasileiro na cadeia produtiva do biodiesel. O enfoque será na questão ambiental, a partir de uma variedade de oleaginosas para a produção do combustível em áreas já existentes, sem comprometimento ao meio ambiente.

O coordenador discorrerá sobre a inclusão social promovida pelo programa, possibilitando o desenvolvimento regional por meio da geração de emprego e renda para os agricultores familiares. Hoje, 100 mil agricultores familiares estão inseridos no Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB), produzindo matérias-primas como a mamona, dendê, girassol, soja e amendoim.

Esse número é resultado de ações para promover a inserção desses agricultores na cadeia do biodiesel. Segundo Campos, estima-se que a renda familiar com a produção de mamona no Nordeste, grande parte no Semi-árido, está entre R$ 1.320 e R$ 7.140 por ano em áreas de plantio de dois a sete hectares.

Uma contribuição para a inclusão desses agricultores familiares foi a criação do Selo Combustível Social. Atualmente, 27 indústrias possuem o Selo e, juntas, totalizam uma capacidade de produção de dois bilhões de litros ao ano.

– Vamos mostrar no Parlamento Alemão como é possível introduzir o biodiesel na matriz energética, explica Campos.

O Selo somente é concedido aos produtores de biodiesel que compram matéria-prima da agricultura familiar em percentual mínimo de: 50% no Nordeste e Semi-árido; 10% nas regiões Norte e Centro-Oeste, e 30% nas regiões Sudeste e Sul. As indústrias têm, também, de assegurar a assistência e a capacitação técnica aos agricultores familiares.