Berlusconi promete ficar no poder

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 8 de outubro de 2009 as 14:36, por: cdb

Em tom desafiador, o primeiro-ministro da Itália Silvio Berlusconi prometeu nesta quinta-feira governar com “mais determinação ainda” depois que o principal tribunal do país cancelou sua imunidade, e disse que as acusações de corrupção contra ele são “risíveis.”

Analistas políticos e econômicos, no entanto, advertiram que a tensão motivada pela decisão de quarta-feira do Tribunal Constitucional poderia desestabilizar o cenário político e contaminar a economia.

– O governo avançará com calma e tranquilidade e ainda mais determinação do que antes porque isso será absolutamente indispensável para a liberdade e a democracia neste país –, disse Berlusconi, em entrevista matinal a uma rádio.

Em um duro golpe ao líder de 73 anos, o tribunal determinou que a lei que lhe concedia imunidade judicial enquanto estivesse no poder viola a Constituição. O veredicto reabrirá dois processos contra ele que haviam sido suspensos.

Berlusconi também foi atingido por uma série de escândalos relacionados à sua vida privada, incluindo acusações de que um empresário teria pago mulheres para dormir com ele. Em maio, a mulher do premiê anunciou que queria o divórcio por causa de sua promiscuidade.

Berlusconi respondeu atacando o presidente da Itália, a imprensa, os magistrados e o Tribunal Constitucional, os quais acusou de serem esquerdistas conspirando contra ele.

– As duas ações contra mim são falsas, risíveis, absurdas e mostrarei isso aos italianos indo à televisão, eu me defenderei na corte e farei meus acusadores parecerem ridículos e mostrarei a todos do que eles são feitos e do que eu sou feito –, afirmou ele.

O presidente do Banco da Itália, Mario Draghi, tentou minimizar a preocupação dos economistas, dizendo que os “acontecimentos políticos recentes não terão nenhuma consequência para o cenário econômico.” 

Analistas afirmam, no entanto, que o veredicto deve enfraquecer Berlusconi e tornar menos provável a tomada de decisões políticas econômicas duras, quando a terceira maior economia da zona do euro se esforça para se recuperar da pior recessão desde a Segunda Guerra Mundial.

– Berlusconi muito claramente está chegando ao fim da linha como líder político…(Essa decisão judicial) com certeza não é o fim, mas é outro prego no caixão –, disse o cientista político James Walston, professor da Universidade Americana de Roma.

– O que já vem acontecendo ao longo dos últimos meses é que a centro-direita está começando a procurar quem irá assumir o cargo –, acrescentou ele.

Um sinal de como o apoio a Berlusconi poderia se tornar precário foi uma advertência feita pelo presidente da Câmara dos Deputados, Gianfranco Fini, de que o premiê precisa “respeitar o Tribunal Constitucional e o chefe de Estado.”

Fini, o principal candidato para suceder Berlusconi, tem criticado com frequência os acessos de Berlusconi.