Berlusconi defende suspensão de seu julgamento

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 7 de maio de 2003 as 11:45, por: cdb

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi pediu nesta quarta-feira que seu julgamento por corrupção fosse suspenso e exortou à reintrodução da imunidade parlamentar no país.

Após apresentar-se nesta semana a um tribunal de Milão, onde negou ter subornado juízes durante uma transação empresarial nos anos 1980, Berlusconi disse que os legisladores tinham que ser protegidos de magistrados politicamente motivados.

– Não estou agindo por interesse pessoal, mas pelos da nação – argumentou, em uma carta ao jornal Corriere della Sera.

Berlusconi, o homem mais rico da Itália, ficou aturdido na semana passada quando seu amigo e aliado político Cesare Previti foi declarado culpado num processo similar e condenado a 11 anos de prisão.

Um veredicto de culpado para Berlusconi, que pode ser anunciado na segunda metade deste ano, quando a Itália estará assumindo a presidência rotativa da União Européia, poderia levar o país a uma crise constitucional.

Muitos políticos de oposição rejeitaram a idéia de restabelecer a imunidade parlamentar, que foi removida em meio a grandes escândalos de corrupção, no início da década passada. Sem seu apoio, tal alteração na legislação seria complicada e demorada.

Enfrentando a batalha legal de sua vida, Berlusconi declarou a uma radio estatal, nesta quarta-feira, que tanto seu julgamento como a análise do recurso de Previti deveriam ser suspensos enquanto o Parlamento emenda a constituição.

Desde que chegou ao poder, em maio de 2001, a coalizão de Berlusconi vem revisando a legislação para empresas, introduzindo alterações que a oposição afirma se destinarem a livrar o premier de seus muitos infortúnios legais.

O governo nega isso e Berlusconi disse nesta quarta-feira que havia enfrentado um ataque legal sem precedentes ao longo da última década, com magistrados realizando 470 visitas aos escritórios de sua companhia e abrindo 87 processos contra ele e seus negócios.