Berlusconi criticado em seu primeiro discurso como presidente da UE

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 2 de julho de 2003 as 14:06, por: cdb

O premier italiano, Silvio Berlusconi, pronunciou nesta quarta-feira seu primeiro discurso depois de assumir a presidência rotativa da União Européia e destacou o papel da Itália como um dos fundadores da UE, destacou sua fidelidade ao cumprimento dos tratados e prometeu que tratará em todo o momento de “superar as diferenças” no seio da UE.

Berlusconi assume a presidência da UE em meio a um grande descontentamento por parte de políticos e da imprensa européia.

Os Eurodeputados Verdes interromperam, após o inicio, o discurso do premier italiano ficando em pé e protestando com cartazes onde estava escrito “a lei é igual para todos”, em alusão a recente e polêmica lei de imunidade que lhe outorgou a Justiça italiana em um processo por corrupção.

O protesto foi reprimido pelo presidente do Parlamento Europeu, Pat Cox, que ordenou aos Eurodeputados Verdes que retirassem os cartazes com a advertência de que novas manifestações provocariam a intervenção dos parlamentares.

Ao retomar o discurso, Berlusconi prometeu que a Presidência italiana terá como prioridades a Conferência intergovernamental para definir a Constituição Européia em outubro; o impulso econômico, a ampliação da UE e políticas de Segurança e imigração.

Berlusconi também destacou a importância de restabelecer relações “fortes e dinâmicas” com os EUA preservando ao mesmo tempo os interesses europeus.

No âmbito desta colaboração, o premier italiano indicou “como pistas concretas” para estabelecer uma relação sólida entre os EUA e a UE, a luta contra o terrorismo a proliferação de armas de destruição massiva, e o respaldo as democracias.

Berlusconi chamou eurodeputado de “nazi”

Silvio Berlusconi, chamou de “kapo” (guarda dos campos de concentração nazistas) ao deputado social-democrata alemão Martin Schultz e qualificou de “turistas da democracia” os deputados que o criticavam durante sua primeira intervenção no Parlamento Europeu.

As repercussões deste fato não são as melhores, muitos Eurodeputados criticaram a atitude do premier italiano.

O presidente do grupo socialista europeu (PSE), Enrique Baron Crespo, insinuou que o fato gerou uma crise institucional e disse que “o problema não é entre o Partido Socialista espanhol e Berlusconi, mas entre o Parlamento Europeu e o Conselho Europeu. São necessárias desculpas formais”.

Por sua vez, o embaixador da Itália na Alemanha, Silvio Fagiolo, foi convocado pela Chancelaria, depois das declarações do premier italiano, informaram fontes diplomáticas.