Belém-Brasília: Alencar compara Lula a JK

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de novembro de 2003 as 15:15, por: cdb

O vice-presidente em exercício José Alencar afirmou nesta sexta-feira que as obras inacabadas geram um desperdício absurdo de recursos investido em infra-estrutura no Brasil.

Destacou que a continuidade dessas obras é uma das prioridades no governo. – Todos sabem das dificuldades de recursos que nós estamos enfrentando, mas todos sabem também que o governo a cada dia vence uma etapa e que não está longe o tempo em que toda a infra-estrutura básica do Brasil estará sendo contemplada pelo governo – ressaltou o vice-presidente, no município de Anápolis, Goiás, em que foi anunciada a completa recuperação da rodovia Belém-Brasília.

Alencar frisou que as obras vão beneficiar os produtores rurais de Brasília, na medida em que as estradas recuperadas facilitaram o escoamento da produção. Este ano, o estado produziu cerca de 12 milhões de toneladas de grãos e a perspectiva para o ano que vem é que essa quantia seja de 13 milhões de toneladas.

Ele afirmou ainda que, assim como o ex-presidente Juscelino Kubitschek – que trabalhou para iniciar em 1960 as obras da Belém-Brasília e para transferir a capital para o Planalto Central, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva está redescobrindo o Brasil. “O presidente Lula pensa muito igual a JK. Deseja cada vez mais aproveitar as potencialidades do Brasil”. No final do discurso, Alencar se confundiu e chamou o ministro chefe da Casa Civil, José Dirceu, de deputado José Sarney.

Bem humorado, o vice-presidente disse esperar que o “lapso” não fizesse com que ele perdesse prestígio junto da José Dirceu. E em tom de brincadeira completou: “minha mãe falava: meu filho, castigo anda a cavalo. Ela falava isso porque naquele tempo a condução mais rápida era cavalo. Hoje, acho que o castigo anda de internet”, disse Alencar, arrancando risos dos participantes da solenidade.