Beira-Mar fica em Presidente Bernardes por 30 dias

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 28 de fevereiro de 2003 as 08:42, por: cdb

São Paulo (CNN) – O traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, ficará apenas 30 dias no presídio de Presidente Bernardes, considerado o mais seguro do Brasil e da América Latina, informou nesta quinta-feira, o governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin.

Alckmin reiterou que a transferência de Beira-Mar, do frágil presídio de segurança máxima de Bangu, no Rio de Janeiro, para Presidente Bernardes só foi possível após um acordo entre o governo federal e os governadores do Rio e São Paulo.

“O que foi acertado com o governo federal foi (um período de) 30 dias”, reforçou Alckmin, alegando que, mesmo que haja pedido para prorrogar o prazo, este não será ampliado.

Em entrevista em Brasília, nesta quinta-feira, a governadora do Rio, Rosinha Matheus, afirmou que não quer que Fernandinho Beira-Mar volte para o estado.

“Não quero que ele volte para o Rio de Janeiro. Cuidar de traficante deste porte é obrigação do governo federal, não do estado”, disse Rosinha.

Fortaleza

Localizado a 589 quilômetros a oeste da capital do estado de São Paulo, o presídio de Presidente Bernardes é considerado uma fortaleza, de onde seria impossível escapar.

O presídio, inaugurado em abril do ano passado, tem capacidade para 160 presos, mas abriga atualmente 61, entre eles os principais líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC), a facção criminosa paulista que imperava no antigo complexo do Carandiru, na capital, recentemente implodido, onde organizavam grandes rebeliões de detentos.

O presídio de Presidente Bernardes é cercado por um muro de concreto, reforçado com aço, de dois metros de altura. Outros dois metros estão abaixo da terra, para evitar a escavação de túneis.

As celas são individuais, blindadas, e todo o presídio tem circuito interno de TV, com 26 câmeras, vigiando pontos estratégicos. O piso é coberto por chapas de aço.

Um pátio é usado para os presos circularem. No meio do terreno, um cabo de aço vertical impede que helicópteros pousem no presídio para tentar resgatar presos.

Falar por meio de telefone celular é impossível: há quatro bloqueadores de última geração instalados na unidade.

Em Presidente Bernardes, os presos perigosos, como Beira-Mar, ficam isolados e, nos dias de visita, raros, não têm contato físico com advogados e parentes. A visita íntima é proibida e os detentos não podem ouvir rádio e nem ver televisão. O banho de sol é permitido apenas em uma hora por dia. Mesmo assim, só conseguem acesso ao pátio cinco presos de cada vez.

Todas essas medidas são para evitar que líderes de presos se encontrem com desafetos.