Beckenbauer diz que Brasil é um dos favoritos ao título na Copa de 2006

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 2 de setembro de 2003 as 21:58, por: cdb

O Brasil é um dos favoritos para conquistar a Copa do Mundo de 2006. Esta é a opinião de um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos, o alemão Franz Beckenbauer, que chegou ao país nesta terça-feira e participou de uma coletiva na sede paulista da Wurth (líder mundial nos segmentos de fixação, produtos químicos e ferramentas), em Cotia, na Grande São Paulo. O presidente do comitê organizador do próximo
mundial, que será jogado na Alemanha, é patrocinado pela companhia naquele país desde 1998 e estará em São Paulo até o dia 4 para comemorar os 30 anos da Wurth no Brasil. Nesta visita, ele cumprirá compromissos com funcionários, clientes e diretores da empresa.

– Além de ser o país do futebol, o Brasil possui excelentes jogadores e reúne grandes condições de levantar mais uma taça. Pode ser até que a final seja contra a Alemanha e, se isso acontecer, será fantástico – disse Beckenbauer.

Ele lembrou que já esteve no Brasil 15 ou 20 vezes, a primeira em 68.

– Adoro este país e acho que ele pode perfeitamente organizar a Copa de 2014, mesmo com as dificuldades e os investimentos que um evento deste porte exige.

Outras lembranças agradáveis do Brasil segundo Franz Beckenbauer, eleito há duas semanas o atleta mais importante da liga de futebol alemã, a Bundesliga, pelo instituto germânico Forsa, são as seleções brasileiras campeãs mundiais de 1958 e 1970. “Foram as melhores equipes nacionais de todos os tempos”, ressaltou.

Sobre os preparativos para a Copa de 2006, Beckenbauer os define como “desafios”. “Trata-se de uma competição grandiosa, com 32 seleções, e que terá jogos em 12 estádios, alguns já prontos e outros ainda em construção. O último deles, em Munique, será entregue em meados de 2005”. O “Kaiser” disse ainda que a Alemanha está recebendo investimentos do governo federal e dos municípios para melhorar a infra-estrutura.

– Um total de 2,5 bilhões de euros serão gastos em estradas, telecomunicações, hotelaria e outros itens. Tudo está sendo feito dentro do cronograma pré-definido e a equipe que eu coordeno, composta hoje por 50 pessoas, está empenhada no sucesso absoluto da Copa do Mundo de 2006  – afirmou.

Quando perguntado sobre sua vida como jogador, treinador, dirigente (Beckenbauer ainda preside o Bayern de Munique) e agora organizador do próximo mundial, o ídolo alemão apontou três fatos que o marcaram muito.

– Sem dúvida o primeiro foi a conquista da Copa de 74, ainda mais diante da Holanda com aquele time fabuloso do Carrossel Holandês. Eu era o capitão da Alemanha e levantei a taça. Os outros foram a Copa de 90, quando, do banco de reservas, dirigi a seleção do meu país rumo ao tricampeonato, e quando a FIFA anunciou há dois anos que a copa de 2006 seria em território germânico.

E por falar na entidade máxima do futebol mundial, Franz Beckenbauer negou que pretende se candidatar à presidência depois do término do mandato de Joseph Blatter, daqui a três anos.

– Quero pensar hoje somente na próxima copa e, para depois, não faço planos. Claro que vou continuar ligado ao futebol. Quem pode ser candidato é o ex-craque francês Michel Platini, o que seria muito bom para o futebol mundial – observa o “Kaiser”, que completa 58 anos no próximo dia 11 de setembro.

De acordo com o presidente da Wurth, César Ferreira, é uma honra receber no Brasil uma grande personalidade mundial como Franz Beckenbauer.

– Estamos comemorando 30 anos de Brasil e somos jovens como Beckenbauer, uma referência como esportista e como cidadão, não só na Alemanha mas em todo o mundo – completou.